quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Anotações sobre leitura (5), Os Maias (3), Cheri(1)


Ontem, Carlos Eduardo ainda não conheceu Maria Eduarda. Mas Cheri e Nounoune se amaram e se separaram. Um casal meio incestuoso, também. Será que todos os casais são meio incestuosos ou estou treinando tanto o olhar que agora, no contraste figura-fundo, é isto o que salta? 
Na DR derradeira, Cheri que não era muito de falar, iria dizer a Nounoune que ela era como uma mãe para ele, mas se cala antes da palavra MÃE. Ele já tinha confessado à Edmee, sua esposa, que se sentia órfão (de mãe viva). E até mesmo como mãe simbólica de Cheri, Nounone falha. Ela reconhece, que em seu tempo juntos, ela cuidou do prazer dele e da felicidade dela, mas nunca o ajudou a se preparar para o seu futuro, mantendo-o infantilizado e dependente. Ele não podia outra coisa senão partir. Vamos ficar sabendo que, no futuro, ele vai descobrir que não podia amar mais ninguém além dela e se vai se matar por isso. Isto é apenas uma informação que é dada, mas que é retirada da ação do filme.  O filme termina com o close de Lea (Nounoune) envelhecida.
Lea é a mãe-prostituta que adota Cheri e o introduz nas delícias entre lençóis, um mundo que já fazia parte da atmosfera que o cercou desde o nascimento. Ela precisa ser punida por isso. Punida por não ser esposa que pode dar filhos e prosseguir o ciclo saudável da natureza. Punida por ter ido mais longe do que o permitido para a educação que deveria ter dado a ele. Ela poderia, sem danos, ter se distanciado emocionalmente e se mantido no papel de prostituta ou se distanciado fisicamente e adotado o papel de mãe. Unir os dois é a receita de sua tragédia, por isso a cena final só podia ser a sua punição: velha e só. E Cheri, após ter realizado a sublime fantasia das fantasias, está marcado, não é mais um homem comum, não há mais mulher comum que possa chegar perto do lugar onde ele chegou com Lea.
Hoje, Carlos Eduardo ainda não vai conhecer Maria Eduarda. Talvez só se conheçam na praia de sábado...

10 comentários:

Diego disse...

Faço todo um esforço pra não contar o final do filme e você, zapt, pronto.

Não entendi a parte do "Ela precisa ser punida por isso". Quem é a voz desse imperativo? A sociedade? Ela mesma?

Diego disse...

"Será que todos os casais são meio incestuosos ou estou treinando tanto o olhar que agora, no contraste figura-fundo, é isto o que salta?"

Mulher Asterísco disse...

Defeito meu. Fiz a mesma coisa com Salve Geral aqui no Blog...e a Fê reclamou pacas!!! Mas não vou editar não =/

A voz é a voz do pai Freudiano/Lacaniano. Aquele que instituiu as regras de convivência culturais e sociais, aquele mesmo que criou a lei do incesto... Não me pergunta ainda quem é ele, nem onde ele mora, pois é justamente isto o que estou procurando descobrir com esta minha petit investigação...Mas gostei muito da pergunta, foi uma elipse oculta que precisava vir a tona ;)

Diego disse...

;)

Paulo Braccini disse...

pois então ... mesmo já sabendo de tudo [brrrrr] vou assistir assim mesmo ... afinal o the end é sensacional ... é como uma final de copa do mundo e o jogo tá 0X0 ... aí o Brasil faz um gol e o Galvão grita ... gol ... que coisa melhor que isto? tem sim ... se ele ficasse calado ...

nhaaaaaaaaaaaaaa

bjux

;-)

Fred disse...

Ihhhh... não entendi nada... mas isso é normal... hehe!!!
Que bom que curtiu nossa versão superhero, querida!
Então vcs tb têm time de futebol?! Bom saber... mas tipo assim, quantas pessoas postam aqui no Nem Froid? Explica pra Vaca, explica... hehe!
Beijo bovino!

hellomotta disse...

Já contou o final, né, Asterístico?
Só li o post pela metade pra não correr o risco de ficar puta de novo! hahaha

Mulher Asterísco disse...

Ain...não adiantou...contei o final na metade do post hauahauhaua

Fred, somos duas: A Hellomotta e a Mulher Asterísco...
Ah...e eu tb não entendi nada... nunca entendo o que escrevo... escrevo sob efeito da besta

Gato de Cheshire disse...

Eu tal como o Fred tb n entendi nada, muita cara de interna isso...

Enfim.... vamo q vamo...

Qto a seu comentario... Bem.. É dificil descrever esse estado de eaboração.. N se trata nem de quebrar fantasias, mesmo pk em alguns casos as pessoas de alguma forma correspondem sua expectativa mas o sentimento de vc ser intimo com alguem q sua cabeça ainda processa como um extranho.. Alguem q vc nunca viu, é muito esquisita... Mas com algum jogo de cintura e boa vontade pode ser rápido!!!


Qto a descrição disso, fico te devendo, n sei descrever muito bem, é um sentimento extranho... Só isso q posso garantir!!

Gato de Cheshire disse...

Putz..

Dejavu ao contrario..

É isso... melhor descrição impossivel!!!!