quarta-feira, 26 de maio de 2010

Outra daquele livro

Gosto do gosto da sua boca, do seu cigarro...
Os vícios sao coisas que se repetem pelos dias. Como os ponteiros de um relógio, o círculo vicioso cumpre um ritual executado pelo corpo escravo de uma vontade autônoma. A mão que acende o cigarro é a mesma que apedreja. Não há liberdade no vício, apenas prazer.

Por sua vez, o prazer de fazer o bem, de agir certo, de ter bom e saúdaveis hábitos, que é conhecido como virtude, nada mais é do que um vício. Ou alguém pode acreditar que um ser humano são pode sentir prazer em uma rotina regrada e em uma alimentação equilibrida dia-após-dia. O ser humano sem vícios não tem prazer, pois não se abandona. Não é humano.

É claro que existem aqueles, e conhecemos vários, que desde cedo encontram a virtude, a disciplina e hábitos saúdaveis. E encontram prazer nisto. Estas pessoas sofrem de um vício dos mais perigosos, por ser socialmente aceito e reforçado. Milhões de litros de tinta são gastos diariamente na publicação das sessões de saúde dos jornais e revistas com o objetivo de incentivar o comportamento virtuoso. O viciado em virtude sofre com as contradições da imprensa. Num dia não come açucar, no outro não toma café. Agora não toma leite. Manteiga, nem pensar. Margarina está out. O filho de uma das autoras deste livro sofre deste mal. É uma situação difícel e delicada que uma família e os amigos mais próximos tem que enfrentar. Seu depoimento é comovente. “ Eu não posso ver uma casa de sucos que entro logo e peço uma tijela de açai com granola ”. A mãe resolveu enfrentar o problema e depois de muito conversar com petiz, ele se convenceu a largar o vício. O tratamento inclui noitadas em bares bebendo cerveja com direito a uma média com pão e manteiga na padaria da esquina ao amanhecer. Ele tem tido muitas dificuldades em se acostumar com a nova rotina. E só fica satisfeito quando tem briga no bar e ele pode treinar alguns golpes de jiu-jitsu. Toda vez que isso acontece ele tem uma recaída e ameça largar o tratamento e voltar para a academia. Mas, paciêcia de mãe é inesgotável e lá está ela de novo fazendo ligações para reservar uma mesa nos bares 24 horas da cidade e arredores.

Esta autora, para superar seu drama familiar, escreveu sua tese de mestrado sobre os viciados em virtude. Ela conta que desde criança seu filho tinha medo da madrugada e acordava e dormia cedo. Em seu tratamento, o rapaz relatou um sonho muito elucidativo de seu sintoma. “ O de estar olhando um relógio de ponteiros que giravam no sentido contrário” Foi a partir deste sonho que a autora definiu o círculo virtuoso. O círculo vicioso é a própria vida- pois não há o que fazer para evitar o pior. O virtuoso seria a ilusão de algumas pessoas que, com medo da meia-noite, criam a fantasia de que podem evitar que ela se aproxime invertendo o sentido do vício em virtude. A autora diz que o grande risco desta doença é a falsa oposição entre vício e virtude, quando ambos são a mesma coisa. O que é agravado pelo fato dos virtuosos, ao contrário dos viciados, não terem consciência de estar doentes. Seu conselho para qualquer pessoa que queira enfrentar o vício , seu ou de algum familiar, é aceitar que não existe o ex-viciado. Existe apenas aquele que escolhe trocar de vício. Esta é a única fração de liberdade concedida aos mortais.

Este conselho foi de grande ajuda para outra autora que resolveu aplicá-lo para tentar parar de fumar.

4 comentários:

Paulo Braccini disse...

Meus vícios q não abro mão:

Cigarro, Pinga, Uísque, Cerveja, Carnes, Feijoada, Moqueca, etc etc etc ... não engordo de ruim mesmo ... [1,79m X 68Kg] corpitcho mesmo ... acho q tudo isto é contrabalançado com sexo ... muito sexo mesmo ... tarado ... kkkkkkkk

bjux

[manda uma goiabinha pra mim ... adoooro]

;-)

Visão disse...

Eu sou transgressor. Tá, tenho alguns vícios que me acompanham, mas todos saudáveis.
Mas não abro mão de uma minha cervejinha, de noites de alegria, de sexo. Adoro tudo isso. Mas com moderação. 3 vezes ao dia, sete dias na vemana.
Bjs

AD disse...

Cada vez mais eu tenho tomado atitudes direcionadas ao estilo saudável de ser. Claro, detesto rótulos light/diet e não tenho pretensões de aparecer em capa de revista.

É mais uma questão de se sentir bem. E se isso for um vício, antes este que qualquer outro.

Hoje no trab escrevi justamente um post sobre isso, mas mais pro lado da ironia. Talvez prox semana publique.

Bjs.

WonderMan disse...

Eu sou muito da filosofia, cada um na sua... Até que nao me incomodem como a maldita vizinha e suas musicas sertanejas... Pra mim é mil vezes pior do que qualquer vício!