quinta-feira, 12 de maio de 2011

Um reino de consciência

E foi o AD que colocou o problema: Qual o nome do carro novo? Não tinha pensado nisso ainda. Asterisco-movel não se parece com ele, tão pequeninho, fofinho e prateadinho. Mas então que nome poderia sintetizar o que eu o quero dizer sobre ele? De primeira, respondi para mim mesma: - não tem nome, vou chamá-lo de carro, no máximo de celtinha. Mas a pergunta continuou na minha cabeça. Maldito AD, pensei.
Já não podia mais fugir de pensar em que nome eu daria ao carro. Não sei qual foi a associação que fiz pensando nos Celtas, dos Celtas para os Highlanders. Highlander seria um bom nome, mas para uma pick-up, não para ele. E foram das paisagens de montanhas enevoadas que surgiu um calaveiro de armadura prateada montado num cavalo negro. Ajustei o foco e vi seu rosto: era Balian, o filho de Godfrei, personagem vivido por Orlando Bloom no filme que vi com a caçula no domingo para que ela se preparasse para a aula de história desta semana que seria sobre as Cruzadas. Um filme que não sai da minha cabeça nestes dias.
A história de um bastardo, deslocado de seu lugar no mundo após o suicidio da esposa, que segue os passos de seu pai na defesa de uma terra. Uma Jerusalem onde todos viviam em paz, independente de sua religião, e , por isso, onde os homens e mulheres valeriam não por seu nascimento mas por quem eles realmente são. Balian, desde sua chegada, consegue o respeito de todos, aliados e adversários, apenas por aplicar o que ele acreditou defender. Os homens são livres para seguirem sua consciência.

Mas pagam um preço por isso. Para ele, o preço parece pequeno. Mesmo no momento em que dizer um sim à uma proposta do rei significaria ele se tornar o novo rei, descartando o tirano legitimo sucessor, evitando uma guerra perdida e ainda ficando com a mulher que desejava, ele preferiu pagar o preço de seguir sua consciência e descartar os atalhos traçados por aqueles que dizem que os fins justificam os meios. Aparentemente, era uma questão simples. A própria proposta do rei já tinha em si a resposta. A única resposta possível seria aceitar. Mas ele não aceita. Sua opção levou à guerra e à morte de milhares. Sua recusa, porém, não é descomprometida, ele não vira as costas para suas consequências, e acaba defendendo o povo de Jerusalem de um massacre. Mas com os métodos que acreditava: inteligência, respeito e motivação. Na justificativa que deu ao Rei para sua resposta, ele diz que se ele aceitasse, aquele não seria um reino da consciência. E ele tinha razão. Não são as intenções que moldam o ser humano, mas suas escolhas. O que ele podia oferecer ao reino da consciência não era ser o melhor rei, era sua própria consciência, que teria se modificado se ele não a tivesse seguido.

Depois disso tudo, vocês também não acham que Balian seria um nome lindo para meu carro novo?

7 comentários:

Edu disse...

Sinto decepcioná-la, mas se colocar esse nome vão chamar de "Baleião".

Meu primeiro carro se chamava... KArro. Adivinha qual era?

Betinho (Uno antigo) foi porque a fábrica da Fiat é em Betim.

Michel foi porque na empresa tem um Michel Renaut (sem "l") e o carro é um Renault.

Carambola veio de "carango vermelho-vivo que rebola nas curvas" - ou só da fruta mesmo.

Que tal "Gandalf, The Grey"? :-) Ou Frodo mesmo, rsrs.

Paulo Braccini disse...

Que pena q vc já deu o nome para o carrinho novo ... ia sugerir ... pela descrição dele ele tem cara de ADlaine!!! kkkkkkkkkkkk

AD disse...

Por toda a profunda exposição, não tem dúvidas: o nome está decidido. :)
___________

E achava uma besteirada enorme nomear carro, mas sabe como é você acaba vivendo boa parte do seu tempo nele, ele te reflete na fauna automobilística, a depender do seu humor ele poderá ser mais agressivo ou maleável. Não tem como não nomear, rsrs.

Beijão!

hellomotta disse...

Ahhhh!
Eu ainda acho que deveria ser Surfista Prateado! humpf!

Você tá falando TANTO nesse filme, que eu vou ter que assistir pra realmente ver se é bom!

;]

Diego disse...

Acho tão interessante isso de dar nome a carro.

Lobo disse...

Sou suspeito para falar... mas eu sou muito fã de nomes engraçados que derivam de situações inusitadas... acho que não se pode dar um nome a algo até ter passado por uma situação muito marcante com o objeto XD.

Beijo o+*

Lobo disse...

Sou suspeito para falar... mas eu sou muito fã de nomes engraçados que derivam de situações inusitadas... acho que não se pode dar um nome a algo até ter passado por uma situação muito marcante com o objeto XD.

Beijo o+*