sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Sweet Fifteen

Não tive festa de 15 anos. Troquei por dois meses na Europa de mochila, tenis, jeans rasgados e um passe de trem aos 20. Nem de longe me arrependo. Apesar de não ser alguém que conte muitas histórias, nem tire muitas fotos, as aventuras e fases - muitas - que vivi acabaram imprimindo em mim algo do que hoje sou. Não sei dizer bem o que cada uma deixou, porque também não sou de fazer inventários, só sei que as experiências foram sendo esquecidas nelas mesmas para se juntar a outras dando lugar a uma forma de ver o mundo um pouco mais ampla. E estes horizontes se ampliaram tanto que hoje o que me pareceria ultra cafona aos 15, me parece fofo.

A Caçula vai fazer 15 em maio do ano que vem e na semana passada comecei a considerar sua festa. Um orçamentozinho apertado torna as coisas mais divertidas, pois decidi compensar com criatividade o que falta em cifrão. Isto significa que vou começar a colocar em prática meus dotes para fazer eu mesma muitas das coisas que costumam ser contratadas hauhauhauha...isso enquanto a empolgação durar. Ela já andou se irritando comigo porque a festa é dela e eu tenho que parar de querer decidir as coisas.....só porque eu já estava querendo fazer uma festa de São João para facilitar os cortes orçamentários . Mas ela não levou fé que eu conseguiria fazer uma Festa de São João em Tons de Verde Água Hype Chic Que Virasse Tendência... humpf ....enfim...tive que ceder. O plano de vôo atual é um baile de máscaras. E isto vai encarecer um pouco mais a festa, porque o regabofe não poderá mais ser os escondidinhos e caldinhos de feijão ultradeliciososos da vovó asterisco. Neste fim de semana vamos assistir o Fantasma da Ópera, em DVD mesmo, para nos inspirarmos no vestido da debutante, porque uma coisa eu ainda não abro mão, se é para usar longo, que seja um personagem, porque ainda não consigo ver um vestido de 15 anos que eu não ache o cúmulo da cafonice.

A garnde inflexão é que na minha juventude eu não podia compreender o quanto é importante para uma mulher se permitir ser a mais linda e o centro das atenções simplesmente por existir. Espero que eu esteja economizando alguns anos de analise da minha filha com esta festa. E sobre o fato da festa ser dela e não minha, já deixei bem claro que não é bem assim. Afinal, quem estará festejando e partilhando com o mundo a felicidade de ter ela como filha sou eu!

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Precedente perigoso


A defesa do americano Troy Davis, que se tornou um símbolo da luta contra a pena de morte, apresentou nesta quarta-feira (21) em um tribunal do Estado da Geórgia dois últimos recursos para que sua execução seja suspensa. Se não obtiver sucesso, ele deverá ser executado hoje.

Troy Davis apresentou um pedido de habeas corpus diante do tribunal superior do condado de Butts (sudeste do Estado) e também "pede respeitosamente que este tribunal conceda um sursis à execução de sua pena de morte", indica um documento da justiça do qual a agência de notícias France Presse conseguiu uma cópia.

Condenado à morte em 1991 pelo assassinato de um policial branco, Troy Davis, 42, deve receber a injeção letal às 19h (20h em Brasília) na penitenciária de Jackson.

Davis "recusa a constitucionalidade de sua condenação à pena de morte fundando-se em novas provas", acrescenta o documento entregue à justiça pelo advogado de defesa, Brian Kammer - que ressalta que tem condições de apresentar prova de que o médico legista que realizou a autópsia do corpo do policial morto deu falso testemunho.

O relatório balístico do legista foi um dos principais documentos nos quais a Justiça se baseou para pronunciar sua sentença.

Nesta terça-feira (20), o comitê de indultos da Geórgia havia rejeitado um recurso apresentado pelos advogados do condenado, que já escapou de três execuções graças a diversos recursos judiciais.

"Protótipo"

Apresentado por seus defensores como o protótipo do negro condenado injustamente, Troy Davis recebeu o apoio de personalidades como o ex-presidente americano Jimmy Carter, a atriz Susan Sarandon e centenas de manifestações pedindo o indulto foram realizadas em todo o mundo.

Durante o processo, nove testemunhas do assassinato cometido em 1989 indicaram Troy Davis como o autor do tiro, mas a arma do crime nunca foi encontrada e nenhuma prova digital ou traço de DNA foi revelado. Mais tarde, sete testemunhas se retrataram, mas isso não foi suficiente para convencer a justiça de rever seu veredicto.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Bala de troco?

O Jornal O Globo publicou uma matéria que mostra o imposto nosso de cada dia!
É o próprio governo praticando a agiotagem.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Preconceito nosso de cada dia

Existem dois tipos de preconceito. O das pessoas, classes, sistemas, instituições que usam o preconceito como forma de oprimir e dominar o outro. E o das pessoas comuns que introjetam estes valores sem perceber. Vou falar um pouco deste último.

De família gaúcha pouco acostumada ao convívio com negros até a geração passada, nunca deixei de ver um esgar, mesmo que involuntário, quando minha mãe comentava sobre alguma "pessoa de cor". E isto vale também para homossexuais.

Nunca aprovei e sempre lutei contra a assimilação destes valores... e já falhei nisso também. O que me consola é a convicção que este tipo de preconceito pode ser vencido com o amor e com o convívio. E é o que estou vendo acontecer...

A irmã de minha mãe veio do Sul para acompanhá-la numa cirurgia. Alguns programinhas domésticos em torno da TV foram inevitáveis. No fim de semana, a Caçula alugou um DVD que estava doida para ver, Patrick, a história de um casal gay que adota um adolescente problemático de 15 anos ao invés de um fofo bebê de 1,5. A história é bem mais que isso. Mas o importante é que apesar de um constrangimento inicial com as cenas de amor entre dois homens, tanto minha mãe, quanto minha tia adoraram o filme.
Ontem, quando cheguei em casa, encontrei a família toda reunida assistindo o Miss Universo e torcendo ardentemente pela vitória a Miss Angola, Leila Lopes, que era, indiscutivelmente, a mais bonita.
Minha vó nunca teria imaginado um dia assim...eu mesma, não reconheci a imagem que tinha de minha mãe e de minha tia. Teorizo aqui, então, que elas são capazes de mudar porque, para elas, o preconceito não é filho do ódio, apenas da obediencia.

Já o outro tipo de preconceito, o daqueles que ganham com isso, este não tem redenção.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

só os amores não realizados podem ser românticos

Esta frase de Maria Elena, a Barcelona de Vicky e Cristina, resume a vida.

Qual a sina de uma menina cujo primeiro filme foi o mais romântico filme de amor já feito, e com o rapaz mais bonito que já existiu?


















Não adiantaria depois o namorado dizer que ela não entendia que a vida não era um filme.
As emoções da ficção eram as mais reais, só nela sabia encontrar o dilaceramento e desepero do querer alguém.

O que quer uma mulher, se perguntou Freud e outros especialistas na alma humana.

Se perguntam isso apenas por que a língua é machista e do erro do gramático, que não classificou desejar como verbo intransitivo, objetos se estabeleceram pelo caminho. Precisaria ser mulher para saber que nada pode caber no desejo feminino.

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Desamarrada

Sabe quando você tem a sensação que tem algo errado com a sua pessoa?
Sabe quando você imagina muitas coisas que você deveria estar fazendo, mas não faz? Não é que você não queira fazer. Você simplesmente não faz. E nem sabe o porque.
Sabe quando o querer e o desejar pegam ruas diferentes?
Sabe quando existe um cipó invisivel prendendo os seus movimentos, o seu cérebro ou o seu coração, impedindo você de fazer aquilo que você tem que fazer?
Sabe quando você se sente afundando no visgo, na rotina?
Sabe quando você começa a ter uma imagem de você parecida com a droga de vida que vc se permite ter?

Pois é ...eu não sei mais!