sexta-feira, 30 de abril de 2010

THE END

<object width="400" height="227"><param name="allowfullscreen"
value="true" /><param name="allowscriptaccess" value="always" /><param
name="movie" value="http://vimeo.com/moogaloop.swf?clip_id=9687766&amp;server=vimeo.com&amp;show_title=1&amp;show_byline=1&amp;show_portrait=0&amp;color=&amp;fullscreen=1"
/><embed src="http://vimeo.com/moogaloop.swf?clip_id=9687766&amp;server=vimeo.com&amp;show_title=1&amp;show_byline=1&amp;show_portrait=0&amp;color=&amp;fullscreen=1"
type="application/x-shockwave-flash" allowfullscreen="true"
allowscriptaccess="always" width="400"
height="227"></embed></object><p><a
href="http://vimeo.com/9687766">The End - The Doors</a> from <a
href="http://vimeo.com/user3243797">George B</a> on <a
href="http://vimeo.com">Vimeo</a>.</p>

BY O+*



#Edited at home#

The End - The Doors from George B on Vimeo.

Quem ama bloqueia!

Venho comunicar a todos os blogueiros e amigos que o Nem Froid foi definitivamente bloqueado na empresa a partir desta data, bem como todos os demais blogs e similares. Ontem, recebi um e-mail dramático da o+* informando do bloqueio parcial: no editing, no pictures, no videos. Apenas podíamos ler o texto dos amigos e comentar, em alguns casos.
Agora, não mais.
Apenas poderemos acessá-los, amigos, de casa!
Graças a tecnologia avançada do blogger, estou postando por e-mail. A o+* "vai estar providenciando" sua conta para que continuemos dando vida ao Nem Froid. Lógico, até a empresa não bloquear, também, o gmail!
Esperamos que vocês entendam e desculpem a nossa ausência nos comentários.

Agora, só me digam uma coisa: por que a empresa bloqueia tudo isso, se ela mesma tem twitter e blog?
It's a very unfair world!


He-llo-voltada!
¬¬

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Como poderia ser


Minha vontade era poder correr e abrir sua janela. Perguntar como foi seu dia, sua aula, sua vida. Você responderia que está bem, falaria pequenas coisas sobre tv e música. Soltaria alguma piada que eu demoraria a entender, e eu passaria a ser a própria piada. Riríamos.
Te falaria coisas sobre filme ou esporte e a gente terminaria falando sobre algo que nos faria indagar: "por que estamos falando disso, mesmo?".
Você não teria aceito meu convite pro cinema ou teatro e, ainda assim, seria a melhor das últimas noites.
Muitas horas teriam se passado e uma de nós diria "preciso dormir". "Boa noite", "beijo", "se cuida". Não necessariamente nessa mesma ordem.
Você fecharia a janela e continuaria o seu mundo. Eu fecharia a janela teria um mundo. Sorriria do meu jeito idiota. Deitaria cumprimentando os deuses, sentiria o seu cheiro quase perto e poderia sonhar com algo diferente do agora.

Mas o agora de agora, é uma janela fechada, um pé balançando e dedos estalando. Lingua presa dentro da boca, dentes que mordem o lábio inferior. Um olhar triste, perdido, autodestrutivo, e o pensamento no futuro do pretérito do subjuntivo.

Anger

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Desabafo



:-((
Ainda bem que eu tenho você, bloguezinho pau-pra-toda-obra.
Agora escrevo porque estou com vontade de gritar.
Odeio quando ele interrompe nossas conversas unilateralmente. Odeio a covardia de me deixar falando sozinha. Odeio a vontade de telefonar e reclamar disto. Odeio também não ser o momento adequado para isso. Odeio as promessas de nunca mais falar com ele. Odeio saber que não vou cumprir. Odeio saber que um dia vou acabar cumprindo.

Viu?
assou! Só você para acabar com a minha vontade de chorar de raiva, bloguezinho do-meu-coração!;-)

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Compulsiva


DivulgaçãoPronto.
Num 'comment' do meu post anterior, o Diego me chamou de compulsiva. Ele mal sabe quão certeiro foi. Como mulher de fases, verdadeiramente digna deste título, estou passando pelo momento-leitora-voraz. Mais de 500 páginas em 2 dias. Foi esta a velocidade com que cheguei ao fim de "O mundo pós-aniversário". Eu já tinha me prometido lê-lo quando terminei Precisamos falar sobre Kevin, da mesa autora.
Me permiti não parar. Me permiti não falar com ninguém. Me permiti sublinhar 3 trechos. Resultado: 2 dias de ressaca. E no terceiro dia, uma indagação: Em qualquer caminho que eu escolhesse frente a uma bifurcação eu me permitiria ser feliz ou ficaria eternamente atormentada pela escolha que não fiz?
Não vou tentar responder isso sobre mim neste post, porque neste caso, a pergunta é mais importante que a resposta. Bem mais.
Segundo resenhas disponíveis que li na net, Irina, a personagem principal, enfrenta um dilema parecido com o que Lionel Shriver enfrentou tendo que optar entre um amor feliz e uma paixão irresistível. Mas o livro não responde. Ele formula as possibilidades. E deliciosamente entra na dor de personagens imperfeitos, uma dor verdadeiramente humana.
Talvez, na vida real, uma pessoa estaria determinada a fazer a única escolha que ela poderia fazer. Talvez um fato do acaso, como um beijo um pouco mais caloroso dado pelo marido sem perceber, pudesse ter um efeito (borboleta) que determinasse tudo dali para frente. Mas se a vida segue ou não um curso determinado pelos acontecimentos que se entrecruzam como uma matriz, não é este o uso da literatura(Pode ser a menção). Usamos os livros para sermos livres. Qualquer solução é possível e são estas inúmeras possiblidades que fazem a arte libertária.
`Em matéria de criação artística, importa essencialmente que a imaginação escape a toda sujeição, não se deixe impor filiação sob nenhum pretexto. Àqueles que nos pressionam, hoje ou amanhã, para que consintamos que a arte seja submetida a uma disciplina que sustentamos radicalmente incompatível com seus meios, pomos uma recusa inapelável, e nossa deliberada vontade de nos manter no lema: todas as licenças em arte.`(Trotsky e Breton).
Para dar corda à minha compulsão, já encomendei outro livro da mesma autora (double fault) e já comecei a fazer as reservas para a FLIP 2010, para a qual foi convidada. Partiu?

Pra não esquecer:

Começar hoje a programar a agenda de aniversário.
Quando: Período entre 28/05 a 06/06.
Onde: Lugares variados, pra não abusar da boa vontade dos amiguinhos.
O que: Carne, Peixe e Frango. (se é que vocês me entendem!)

Palavra de ordem: Eficiência - o máximo de resultado com o mínimo de dispêndio!*

*Leia-se "se divertir muito, gastando pouco!".
E, claro! Sugestões são sempre bem vindas!

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Merece um post

Segui a recomendação do Caju e troquei pelos ovos de páscoa que ganharia Dele. Foi assim que coloquei as mãos num Box da Trilogia Millenium todinho meu.
Eu me conheço. Já sabia que ia gostar. Gosto de séries, best-sellers. Desde criança. Julio Verne, Agatha Christie, Brumas de Avalon, Senhor dos Aneis, Harry Potter, Crepusculo/LuaNova/Eclipse...caiu na minha mão, devoro! Nestes casos, nem ligo pra literatura, sou sugada pela aventura. Fico correndo tentando chegar antes da história no fim do livro, nem aproveito, nem sorvo... não tenho tempo, devoro. Não paro até terminar. E, obviamente, foi assim com Millenium.
Inevitável a comparação com Dan Brown. Best-sellers conspirativos são assim, dialogam entre si através dos leitores. Porque somos nós que os juntamos quando os colocamos na estante, razoavelmente próximos. Tirando isso, um alívio. Os temas relevantes: violência do estado x direitos constitucionais; Violência contra mulheres x respeito por sua individualidade; Especulação financeira e mafiozização da econômia, só tornam o livro mais deleitoso e atual. Honesto. Mas a principal comparação que faço com Da Vinci é o fato de não fazer promessas em vão. Brown levanta tantas possibilidades de conflito quanto foge de todas elas no desenlace. Anjos e Demonios é um pouco menos irritante neste aspecto do que Código Da Vinci. O último eu ainda não li.
Mas em Millenium, não. Parte do prazer de A Rainha do castelo de Ar, o último livro da série, é justamente não deixar em suspense uma solução para o fim, mas ir acompanhando como ela vai sendo construída.
Inevitável para mim foi me questionar se o respeito à individualidade e às opções dos personagens, homens ou mulheres, é uma componente cultural do norte da Europa ou se é uma postura do autor. Tão acostumada que sou a uma sociedade extremamente machista e sexista, gostei muito de vivenciar por alguns dias um novo lugar. Possível e verossimil, na minha opinião.
Mas o que acrescenta a tudo um tempero extra é saber que o autor, Stieg Larsson, tal como Mikael Blomvkist, foi ele também, um jornalista investigativo e ativista de DDHH. O fato de que ele morreu logo após ter entregue os manuscritos para edição, torna tudo mais romântico.
O melhor de tudo é poder, agora, dizer que a leitura me inspirou a retomar um projeto que estava queimando a minha gaveta. E já dei passos significativos. Tem vezes que eu realmente a-do-ro ser eu mesma!

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Eu desejo que você se frustre!

Eu não costumo postar textos de outros. Gosto de uma postura mais autoral no Blog. Mas neste momento meu, estou aprendendo como é bom nao ter algo. E querer. Eu dedico este texto para mim e para as minhas filhas que fazem aniversario em maio. Que elas nao precisem domorar tanto para entender a força do querer, isto é: que querer é melhor que ter, mas mesmo assim, nao substitui.


Eu desejo que você se frustre!
:: Rosana Braga ::


Certamente, o título deste artigo é um tanto agressivo. Eu sei! Acontece que queria mesmo chamar a atenção para o quanto estamos precisando aprender a lidar com as frustrações. Temos vivido um momento muito delicado no que se refere a encarar os não que a vida nos impõe.

Cada dia uma notícia mais terrível que a outra e sempre tendo como mote principal a incapacidade de aceitar uma negação, seja de quem for. Filha mata os pais porque eles não aprovam seu namoro. Namorado mata namorada porque ela não quer mais continuar a relação. Namorada mata namorado porque descobre uma traição. Mãe mata filhos porque o marido a abandonou. Neto mata avó porque ela não queria que ele fizesse barulho.

Um número assustador de pessoas que simplesmente decidem acabar com a vida do outro e, tantas vezes, com a própria vida porque as coisas não aconteceram exatamente como elas previam ou gostariam.

O que é isso?!? Onde é que vamos parar? Será mesmo que não existe outra maneira de lidar com tudo isso? Eu sei que o mundo exige cada vez mais de nós, que o fracasso faz com que nos sintamos fora de uma competição acirrada e de um objetivo insano de ser feliz e ter sucesso a qualquer preço, mas ‘peraí’... está na hora de avaliarmos outras possibilidades mais criativas para o que é inevitável: a frustração!

Todos nós, indiscutivelmente, independente de classe social, situação financeira, origem, cultura ou raça, temos de lidar com os fracassos, as perdas e as dores decorrentes do exercício de viver. Portanto, há de haver uma conseqüência nobre de tudo isso: aprendizado, amadurecimento, crescimento interior, enfim, auto-superação!

Antigamente, perdia-se um amor e isso se tornava inspiração para lindos poemas, músicas inesquecíveis ou atos belíssimos na tentativa de reconquistar a pessoa amada, tais como uma serenata ao pé da janela, uma declaração de amor em público ou o envio de dúzias e dúzias de rosas. Hoje, perde-se um amor e tudo vira uma tragédia insana e sem sentido.

Antigamente, recebiam-se proibições dos pais e isso se tornava uma fuga de casa por uma noite, uma carta malcriada ou até um motivo para lutar por causas maiores. Hoje, recebem-se ordens dos pais e isso se torna razão para destruí-los, massacrá-los ou feri-los.

Onde está nossa sensibilidade? Onde está nossa motivação para transformar limites em novos horizontes? Onde está a noção do que seja compreensão, aceitação e fé?

Eu desejo, sim, que você e eu continuemos nos frustrando, até porque não há outro modo de evoluir; mas desejo, sobretudo, de todo meu coração, que consigamos lidar com nossas dificuldades de um modo mais humano e criativo.

Esmurremos o travesseiro, fechemos a porta do quarto e choremos a noite inteira, martelemos 118 pregos num pedaço de madeira, sem parar, até esgotarmos toda nossa energia raivosa, mas pelo amor de Deus, não destruamos uma vida, não acabemos com o que é sagrado, não desperdicemos a oportunidade de ser gente e agirmos como tal.

E assim, de frustração em frustração, quem sabe possamos perceber que não há nada mais fantástico e sublime do que a arte de aprender a transformar um não em mais uma chance de vencer e ser feliz...

terça-feira, 20 de abril de 2010

Desejo

Comecei este post diversas vezes pensando em você. Apaguei. Quero falar do tesão que tenho na justa medida. Não consigo. Sempre extrapola ou não dá conta. Acho que é porque ele é assim mesmo, inexplicável, inadequado e inextinguível. Quero falar porque não está cabendo em mim. É que o que eu queria mesmo era ter você de novo, agora.

blocked by websense

Ontem foi um dia trash e as confusões da caçula e otras cositas mais me tiraram do prumo. Mas com a competência que estou desenvolvendo, consegui superar. Foi assim, que hoje acordei com bom humor total. Chego no trabalho dando papo para todo mundo. Encontro na minha mesa uma empadinha deixada pela Hello (;-)) e vou dando andamento na minha tarefa mais importante do dia, me atualizar na blogsfera. Começo lendo por ordem de novidadade, como estão ordenadas do lado direito do Nemfroid. Fico com preguiça de ler um blog que nunca dá o ar das graças por aqui. E vou seguindo a lista. Chego na minha Vaquinha Jersey favorita e vejo que é um post sobre o Didi. Clico para ler pensando no que a vaquinha estava aprontando hoje e pimba "bloqueado pelo websense". Enfim, não sei o que a Vaca aprontou, que assustou tanto a TI daqui a ponto de bloquear o seu blog... Enquanto isso persistir não vou poder visitá-la mais... Como serão minhas tardes sem você, amor?

bjomeposta

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Circulo vicioso

Eu penso que pego o pulso da situação. Consigo encontrar um jeito da gente se entender. Fico cheia de esperanças. Relaxo. Baixo a guarda e a vigilância. Aí você cisma com algo. Se sente prejudicada, vítima. Faz da opinião de alguma amiga , uma sentença de condenação. Aplica sua propria pena. Inflinge uma retaliação. Eu descubro. As pistas eram evidentes. Fico com raiva. Você desafia. Me descontrolo. E mostro para você um caminho de punições. Porque eu sou tão burra na hora da raiva? Se eu não sabia o que fazer, porque simplesmente não fiquei sem fazer nada até saber?

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Efeito ioiô

Eu pego o pulso da situação. Consigo encontrar um jeito da gente se entender. Fico cheia de esperanças. Daqui para frente, vai dar tudo certo. Aí você arruma um pelo em ovo e regredimos tudo à estaca zero. Aí fico puta, me descabelo, sinto um nó no estomago e digo para mim mesma, este foi o limite. Não quero mais isso. Não é justo. Você não está sendo nem meu amigo. Vou por um ponto final nisso. Desta vez foi demais. Mas um dia, mas cedo ou mais tarde a raiva passou e se antes foi assim, porque desta vez seria diferente?

Não consigo viver nem com nem sem você.

All Happy Day


Como eu fui parar na pré-estréia de Alice no país das Maravilhas (3D)?

Depois de meses me desencontrando com a Patricia Cal no quesito "futebol", ela aceitou ir jogar com a minha galera. De última hora, pedi pra ela levar os irmãos pequenos - que eu tinha acabado de descobrir que ela tinha - pra completar o time, porque, na minha contagem, só iam 8 meninas.
Chegamos no futebol, batata: Só tinham 7 meninas. Começamos o futebol com os meninos revezando entre si mas, lógico, pouco tempo depois, uma de nós já tinha desfalecido, e os dois ficaram em campo. Um de cada lado.
Eu, que já adoro "mulekes", adorei os dois. Quando deixei os 3 em casa, os pedi "emprestado" pra Pat, que achou engraçado. Eles, adoraram a idéia de levar a tia pra ver desenho em 3D. Eu estava animadíssima que até-que-enfim conseguiria ver "Como treinar seu Dragão".
As 18h, conforme combinado, estava na porta. Eles desceram. A Pat, veio junto, com um radinho a tiracolo, afinal, ela não queria perder o lançamento nacional da sua música, "Onze Horas", na Rede Sucesso!
Com o trânsito ruim, decidimos mudar de rumo: Ao invés do Norteshopping, Botafogo Praia.

No Botafogo, a surpresa: Sessões encerradas. Como assim?
A menina nos informou que alguém teria comprado todos os assentos pra promover uma sessão fechada.
Ahhh, não! Não é possível que alguém leve 300 pessoas e que não sobre 4 lugares. A gente precisa descobrir quem foi e pedir pra ver junto. Por que, não?
Achou loucura, né? Eu também. Mas foi o que fizemos. Ficamos procurando quem poderia ser. Deve ser aquelas pessoas sentadas na sala de espera, né?
Hey, é impressão minha ou elas estão vestindo uma camisa do "Alice no País das Maravilhas?". Pedi pro B, o mais novo, ir falar com as meninas, pedir a camisa, e tentar descobrir algo do cinema 3D. Depois de muito, enrolar. Entendam: muito enrolar. Eles foram. Voltaram com a informação de que "o cara" seria um de camisa listrada. Depois de mais um pouco de muito enrolar, puxei o B, e fui falar com o cara.
Disse que tinha levado meu primo, de Minas, pra ver um filme 3D pela primeira vez, e que tinha descoberto que não teria sessão porque o cara teria comprado todos os assentos. Perguntei se não teria um lugar pra gente.
Ao contrário do que qualquer um pudesse imaginar, o cara foi super simpático. Disse que acreditava que sim, pra falar com ele mais pra perto da sessão, as 21h. As 20:30 voltamos lá, o próprio cara me chamou, perguntou em quantos estávamos, respondi. Ele me deu 4 pares de cupons, explicou que estes dariam direito a entrada na sala e a um combo de pipoca + refrigerante e, ainda, nos desejou bom filme.
Oi? Morribeijos total. A gente, mesmo já tendo "imaginado" que se tratava da pré-estréia antes - porque o cara, em momento nenhum disse que não seria o filme do Dragão - não estava acreditando no que tava acontecendo. Era o filme mais esperado do ano. E a gente ali, prestes a ver em primeira mão. Oi?

Pegamos nosso combo, entramos na sala, sentamos no lugar mais alto da sala. E daí foi só esperar o show começar. E que show...
Johnny Depp e Helena Bonham Carter estão impecáveis. A resenha do filme eu faço depois. Por hora, tudo o que posso falar que é absurdamente entendível o porquê de ter sido o filme mais esperado no Ano. Ah! Lógico! Estou esperando dia 23, porque lá estarei de novo! \o/

O dia ontem foi perfeito e é nessas horas que a gente vê como a vida se completa com todas as pequenas coisas.
Pelo menos, a minha lição pros pequenos eu já deixei:
- Oportunidades, não desperdice.
- Você não precisa saber fazer algo, precisa saber quem faça.
- Cara-de-pau é fundamental.
- Todo mundo é igual. Não é preciso ter medo das pessoas. Os verdadeiros "superiores" são os que mais andam à nossa altura.

E o melhor de tudo: eles entenderam!
Ah! Acho que vou roubar meu Guri e meu Gatão mais vezes! =]

h'[m]

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Beijo

Tá. Eu gosto de sexo. Mas gosto mesmo é de beijo. Gosto, principalmente, daqueles beijos que acabam num orgasmo... Não é que o beijo cause o orgasmo, é que o beijo leva a outras carícias e estas à outras e assim sem ter tomado a decisão de transar, quando se vê, já foi...
Adoro quando respiramos juntos o mesmo ar. Quando eu sinto o ar que estava dentro dele entrando em mim. Adoro quando não sei onde eu acabo e e ele começa. Não é aquela coisa de desentupidor de pia, de engolir ou ser engolido... isto até tem hora, mas não é isso o que gosto. Gosto mesmo é de encontrar a sintonia certa, aquela que leva ao esquecimento... que, como gosta de ouvir a caçula, faz o mundo girar. Gosto de muitas outras coisas também. Aliás, difícil é saber do que não gosto. Bem, tá, não é tão difícil. Para mim sexo não é igual a pizza, que até frio é bom. Pizza fria é bom, ainda mais no café da manhã no dia seguinte. Sexo frio não é bom. Não para mim. E quando digo frio, digo sem emoção. Até no sexo pelo sexo, preciso ter alguma afinidade, preciso dar algum significado. E não há nada melhor que o beijo para dar este significado especial e tornar isso tudo tão gostoso.
Viva a semana do beijo!
Um e-mailzinho que recebi:

Dia 13 de Abril ? DIA DO BEIJO
7 tipos de beijo = 7 tipos de saúde

O beijo pode ativar o funcionamento da nossa saúde orgânica, biológica e energética. No livro 'Eles são simples, Elas são complexas', editora Alaúde, a terapeuta do amor e maior cupido do Brasil, Cláudya Toledo fala sobre as sete saúdes do ser humano e como fazer para torná-las ativas e positivas. As sete saúdes são: física, sexual, financeira, emocional, social, mental e espiritual.
A seguir sugestão de 7 tipos de beijo para ativar as 7 saúdes:
Beijo Animal- morde os lábios e 'ataca' ferozmente o outro. Representa Força.
Beijo Flex- beijo com muita língua, saliva, mordidinhas. Representa Prazer
Beijo Power - um dita o ritmo para o outro. Representa Posse.
Beijo Doce -as línguas se entrelaçam suavemente, os corpos se unem carinhosamente. Representa Amor.
Beijo Surpresa - aquele roubado , causa susto e prazer inesperado, faz rir. Representa Alegria
Beijo Focado- penetração da língua na boca como um ato sexual. Representa Intenção Sexual
Beijo Tântrico - é aquele que evolui do tipo animal ao focado naturalmente, mudando a energia e as nuances. Representa União, Integração, Êxtase.
Beijo: o termômetro da relação
O beijo é uma manifestação de carinho que demonstra afeto e age como um termômetro nas relações. Proporciona sensações agradáveis, libera substâncias químicas que transmitem mensagens ao corpo, 29 músculos são ativados em um beijo apaixonado.
O beijo é um excelente indicador da relação e pode ser usado para unir muito mais o casal. O beijo tem o poder de misturar a essência das pessoas através da saliva. Tendo esta consciência, o beijo pode ser uma deliciosa alternativa para integrar o casal.
Muitos casais de longa data têm relação sexual sem beijo na boca, isso indica falta de entrosamento e entrega, algo estacionou ou esfriou. Variar o beijo, criar e namorar beijando é um sinal que o relacionamento esta vivo.

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Como foi o dia do beijo da O+*?


Homens insinuantes na vida das mulheres

1. Seu médico: 'Tire a roupa...'
2. Seu psicanalista:'Agora deite e relaxe...'
3. Seu farmacêutico:"Está doendo? A cabeça incomoda?'
4. Seu dentista:'Abra um pouco mais...'
5. Seu decorador:'Quando estiver tudo dentro você vai gostar.'
6. Seu flanelinha:'Vem...vem...assim..assim...'
7. Seu frentista:'A senhora quer lubrificante?'
8. Seu vendedor de frutas:'Pode segurar, mas não pode apertar.'
9. Seu cabeleireiro:'Vamos fazer uma coisa diferente?'
10. Seu peixeiro:'Vai querer tudo ou só metade?'
11. Seu professor de culinária:'Isso, assim mexe um pouco mais agora...'
12. Seu padeiro:'Sim. Está quentinho! Como a senhora gosta.'
13. Seu feirante:'Gostoso, não é? Pode experimentar outra vez....'
14. Seu marido:'Hoje? Outra vez?! Assim não há quem aguente!!'


trimmmmmmmmmmmmmmmmmm ( toca o telefone)
- Oi, O+*, sou eu.
- Oi
- Este e-mail que você mandou é um indireta?
- Uma direta. Deus me livre de casar com você!
- Ué, porque?
- Porque se numa relação baseada somente no sexo já é assim...
- Chata!


;-)

Ciúmes

A Vaca Jersey concedeu um banho de leite para outros blogueiros e eu fiquei de fora da farra, de modo que minha pele está pedindo por uma máscara feita com proteínas do leite.
Como não quero ser excluída por esta sexy vaca, vou colocar a imagem aqui do lado para homenageá-la e, quem sabe, ganhar um pouco mais de atenção...

Beijosmorri

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Quem tem boca vaia Roma

Cerca de 230 mortos, 200 desaparecidos, 12 mil desabrigados. Este é um saldo parcial da tragédia que assolou o Rio de Janeiro nas últimas chuvas.

Entrevistado logo em seguida aos primeiros desabamentos, Sergio Cabral, Governador do Rio, declarou que “A culpa das mortes é da irresponsável ocupação desordenada de áreas irregulares, das encostas, por isso eu quero construir muros nas favelas, para impedir a expansão das favelas! Veja a onde estão as mortes. São os mais pobres que morrem, por isso, temos que ser cada vez mais duros na disciplina da ocupação do solo urbano, com aparato da polícia. Já falei com os prefeitos: contem com o Governo do Estado!"

Segundo Cabral, a culpa é dos pobres que moram na favela, fazendo jus a um hábito muito comum dos opressores que é a culpar a vítima.

O que Cabral não diz é que o déficit habitacional do Estado do Rio está em cerca de 700 mil moradias. Evidente que não é de muros que a população precisa, mas de casas.

Resolver o problema habitacional no Rio de Janeiro é inseparável de combater a especulação imobiliária. Com uma valorização de cerca de 150% na última década e 30% só no ultimo ano, a aplicação em imóveis no Rio supera a maior parte dos investimentos especulativos. O que tende a se agravar com a proximidade da Copa e das Olimpíadas. Só no município do Rio de Janeiro, o numero de residências desocupadas é aproximadamente 200 mil. Praticamente o mesmo número do déficit habitacional do município.

Mas apesar de se dizer preocupado com as construções em encostas, Cabral decretou no ano passado a flexibilização da construção na Área de Proteção de Tamoios para impedir que os ricos, como Luciano Huck, cliente do escritório de advocacia de sua esposa, fossem multados em suas construções irregulares. O decreto não resistiu às tragédias da virada de ano em Angra..

Cabral deu a senha e Eduardo Pais aplicou a cartilha: Transformar o problema de moradia da população carente no Rio num caso de polícia, com o decreto que autoriza o uso de violência para fazer as remoções.

Não são poucos os exemplos de casas adquiridas em programas governamentais que alagaram e seus moradores perderam tudo. No lixão do Morro do Bumba, as residencias eram legalizadas... Enfim, são tantas contradições inexplicaveis, que só resta a população vaiar o Governador.

Bem vaiado, diga-se de passagem!


By uma O+* beemmmm indignada


Humor Asterísco

Por que a Asterísco é minha melhor amiga? Porque ela me ouve, me aconselha e, tudo isso, com muito bom humor.

- Amanhã é dia do beijo e não tenho com quem comemorar.
- Eu tenho um voto.
- É quem eu acho que é?
- É.
- É uma boa pedida.
- Eu voto no amor.
- É, eu acho que eu ainda amo.
- Só o amor faz as pessoas crescerem.
- É? Você acha mesmo que eu cresci com ela?
- Não. Você regrediu. Mas ela deve ter amadurecido.

hahahahah
Ok. morribeijos!

h['m]

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Minha floresta

Se eu pudesse descrever a sensação que tenho agora, seria algo como desmatamento da Amazônia: Rasgaram meu peito como rasgam os solos, sem a menor piedade. Sinto os ventrículos sendo puxados como raízes que já não mais servem.
O erguer dos meus pêlos nada tem a ver com o frio atípico no Rio de Janeiro, mas sim com o vazio que, dentro, congela.
É um misto de raiva, de inconformismo que me faz ter dúvida até do que quero.
Escrevendo isso, me sinto como um autor dramalhão. Ou como os posers que postam fotos com torniquete e faca de serra em seus facebooks. Eu até colocaria uma dessas por lá, se eu não achasse tão estúpido.
E se qualquer tipo de suicídio é burro e inútil, hoje eu me permito apenas a dor e a reclusão de quem quer entender cada burrice que faz.

Se o autocontrole falhou hoje, só me resta autopunição.
Porque eu continuo sem admitir.
h'[m]

quarta-feira, 7 de abril de 2010

2010

Os culpados

* O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), afirmou nesta terça-feira (6) que a tragédia causada pela chuva, que matou pelo menos 80 pessoas em todo o Estado, foi agravada por ocupações irregulares, as quais prometeu combater mais duramente. Ele voltou a defender medidas polêmicas, como a construção de muros em torno de favelas.

*Al Gore, com o seu "uma verdade inconveniente" fez o favor de explicar ao mundo que o padrão de consumo atual está causando um super-aquecimento que está alterando o clima no planeta e causando catastrofes naturais.

*Aula de Ioga. A professora bem-intencionada: "Mentalizem bastante a luz violeta porque aquela monja previu muitos desencarnes coletivos neste ano." Des... o que? "Muitos acidentes com muitas mortes..."

Então ficou decidido assim. Eu sou culpada porque não consegui mentalizar o violeta e porque ainda uso sacolas de plástico no super-mercado e uso copinhos descartáveis no cafézinho. São culpados os moradores das favelas pela ocupação desordenada. São culpados os pobres pela pobreza. São culpados os consumidores pelo consumo. São culpados os ateus pela falta de orações. E, como não poderia deixar de ser, são culpados os eleitores pelos erros dos eleitos.

É muito util que a culpa seja de todos os cidadãos e quando cada um aceita a sua parte, a nossa dor na consciência nos paralisa e lava as mãos dos Vendilhões que fizeram a sua parte nos avisando. Se eles são inocentes, os culpados somos nós.

Só um pouco de bom senso

*Amigo da família, num almoço em Angra, logo após o Reveillon e os desabamentos que mataram 72 naquele município na virada do Ano, desabafa: Procurei a Defesa Civil do município para saber o que eles estavam precisando para os trabalhos de resgate. A resposta foi: água para beber. Para os bombeiros beberem. O que imaginar da precariedade do serviço de defesa civil num município que deveria estar pronto para fugas e acidentes por causa da Usina Nuclear?"

*Amigo geológo afirma que não tem jeito, que todo morro tende a descascar até ficar pelado, só na pedra, com a terra e a vegetação descendo. É uma questão apenas das condições climáticas e tempo, o que na geologia, se mede em escala de milhões de anos.

Não precisa ser vidente para saber que as cidades não estão preparadas para conviver com a natureza. A natureza se modifica contantemente. O planeta é vivo e está em tranformação. Calor, frio, chuva, neve, terremoto, maremoto, tsunami, ventanias, furacões... Estamos sujeitos a todas estas interpéries naturais. Logo, as cidades e as utilidades públicas devem ser planejadas já contando com estas interpéries. Senão, nós é que pagaremos com as vidas de nossos irmãos.
Não, a natureza não está se vingando do homem. São os políticos que não investem em prevenção e em defesa civil porque são obras e investimentos invisíveis, que não aparecem e não rendem voto.

Se alguém precisa ser responsabilizado e cobrado são os governantes: é Eduardo Pais, é Sergio Cabral e, também , Lula, que além de tudo está submetendo o seu partido, que poderia ser uma alternativa a isto tudo no Rio de Janeiro, ao des-governo Cabral.
Nós não somos os culpados e nós podemos cobrar que ELES façam a parte deles e parem de dar desculpas esfarrapadas.

By O+*


Crédito:CHARGE DO AROEIRA NO JORNAL O DIA

Casa de Ferreiro

Eu sempre aconselho como as pessoas devem tratar os pais mas, lógico, que eu não uso minha própria receita, né?

Lá em casa é assim: manda quem pode, obedece quem tem juízo.

Meu pai me prometeu tanta coisa e não compriu que, quando eu comprei o carro foi definido: Eu pago o financiamento, ele, o seguro. Afinal, meu pai é o corretor e nada seria mais justo, certo?
É, acontece que ele é tão metido a espertinho pra cima de mim, que ontem ele até fingiu que esqueceu de pagar porque ele sabia que eu não deixaria de pagar. Eu fiquei tão puta, tão puta, que fingi que não vi. Mas peraí, se der merda, não é o Lobo Mau que vai pro brejo? É. Então...
Paguei a conta, na surdina. Sabia que seria a primeira coisa que ele me perguntaria quando acordasse, como fez. Joguei o papel - bem de birra - em cima dele. Ele riu, soltou um "que bom".

Hoje de manhã ele me esperou pra pegar o dinheiro do aluguel. Separei umas tarefas pra ele - sim, ele é meu próprio secretário particular: Contas pra pagar, o rádio pra consertar e a fézinha pra jogar.
Fomos no posto, separei o dinheiro. Ele entrou no carro, conferiu, e viu que dei o dinheiro do aluguel intacto (eu deveria ter tirado a parte do seguro que ele deixou de pagar).
Espertamente, guardou o dinheiro do aluguel e foi conferir o dinheiro "por fora" e os afazeres.
- Peraí, não tá faltando dinheiro aqui?
- Faltando, não tá, não! Se a gente descontar o dinheiro do seguro, vai ver que ainda tá sobrando R$ 100,00. E isso porque tô de muito bom humor, mas não se acostuma.
Ele balançou a cabeça, prendendo um riso no canto da boca e saiu. Deve ter pensado: Tal pai, tal filha.

E deixa ele chegar em casa sem os devidos comprovantes pra ele ver o que acontece...

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Outras prioridades, pelo menos por enquanto

Eu ia postar sobre ter ou não ter um compromisso com alguém...mas aí chegou, por e-mail, um teste que fiz:


1)A VIDA COMO VOCÊ A VÊ:Caso tenha escolhido as montanhas, é sinal de que você é prático(a), tem senso de justiça, pé no chão e conquista as pessoas por sua honestidade. Uma prova disso é que sua atitude quando alguém pede que ajude a resolver um problema. Antes de tomar qualquer partido, ouve as partes envolvidas.

2 ) A PESSOA DOS SEUS SONHOS:

Se escolheu a garrafa você é ambicioso(a), inteligente, prático(a) e quer um(a) companheiro(a) que ajude e batalhe ao seu lado, mais do que amor, paixão busca, companheirismo e um parceiro(a) esperto(a), disposto(a), colaborador(a). Dos chamados 'moscas mortas', você prefere manter distância.

3) VOCÊ QUER UM COMPROMISSO SÉRIO?

Se respondeu não, tem outras prioridades, pelo menos por enquanto.

4) LIMITES DA PAIXÃO:

A cachoeira revela que você gosta de conquistar, esbanjar seu charme e saber que as pessoas se apaixonam facilmente por você, mesmo que para você logo tudo perca a graça. Mas sempre aparece alguém novo, aliás, muito natural.

5) FUTURO BRILHANTE:

Se viu a chave antiga, mostra que você tem garra e uma vontade ilimitada de aprender tudo o que puder e que vai atrás e luta por seus objetivos.

6)QUEM É QUE NÃO TEM AMBIÇÃO?

Caso tenha achado o castelo mais simpático, é porque ainda não conseguiu decifrar muito bem o que deseja para o amanhã. Enquanto isso, para não se desapontar, caso alguma coisa dê errado, prefere sonhar com o que vai fazer com o dinheiro todo que irá ganhar, quando ficar milionário

7) QUANDO O SUCESSO CHEGAR

Entrar na casa é ter confiança em tudo o que faz, sabendo que existe sempre a possibilidade de erro ou acerto. Sendo assim, nada consegue atrapalhar seu caminho.

8) MEDO DE QUE?

O gnomo é o retrato de uma pessoa preocupada com que os outros vão pensar dela, como os outros vão reagir se disser ou fizer coisas que elas não gostam ou aprovam. Afinal por que tanto medo de não ser aceito(a)?

9) SEU EU MAIS PROFUNDO

A praia é a escolha de quem é apaixonado(a) pela vida, nada convencional, com opiniões próprias e nem um pingo de receio de defendê-las e mudá-las, se for preciso.

Substituível? Não, Eu!

Uma das primeiras frases que ouvi no dia é: "Eu não sou insubstituível". Meu mundo parou. Não, não falaram isso referente a minha pessoa, disseram sobre si. Meu mundo parou simplesmente por não entender: como alguém se acha substituível?
Eu não sou substituível. Me recuso a pensar assim. Posso não ser o amor da vida de alguém, o melhor amigo eterno, ou ainda o único comprador do mundo. Mas eu sou aquele amigo, sou a filha. Substituível, pra mim é aquilo que se não existesse, não faria falta ou, um mínimo dispêndio no mundo. Não me vejo assim.
Sei que sou lembrada por diversas pessoas em um único dia. Sei que a alegria dos meus pais e alguns amigos se reduziria a metade caso a minha não fosse completa.
Sobre os pais, ontem ouvi uma frase no Six Feet Under que me trancou o glote.

"Se você perde um conjugue, você é chamado de viúvo ou viúva. Se você for criança e perder os pais, você é um orfão. Mas que palavra descreve o pai ou a mãe que perdeu um filho? Acho que é terrível demais até pra se dar um nome."

Resolvi colocar essa frase pra reflexão.
Sempre achei pai e mãe nosso elo pra vida. Aquilo que justifica nossa existência.
Nunca consegui descobri o significado da vida, pra quê, porquê estamos aqui. Mas sei que alguém no mundo deseja tanto a minha existência, que a faz valer a pena.
Acho que eu enlouqueceria se pensasse que estou vivendo como coadjuvante.

E se algum dia você se questionar sobre a vida, seja insubstituível. Apenas deseje a vida de alguém, e a torne insubstituível.

sábado, 3 de abril de 2010

Eu uso óculos

Eu não nasci de óculos, mas comecei a usá-los há tanto tempo que até gosto. Passei pela fase das lentes de contato, mas os ar-condicionados corporativos me trouxeram de volta para eles. Troco de modelos todos os anos, sempre procurando algum diferente. Óculos de miopia. Eu gostava. Porque também tem coisas boas em ser míope. Não deixa de ser um jeito de se refugiar em si mesmo e sempre deu para me afogar nas leituras dos meus livros preferidos sem óculos. Esta era eu.
Há alguns meses, comecei a fazer algo que não podia imaginar que aconteceria comigo também... Comecei a afastar os papeis para ler... Medo. Fui no oculista e o engraçadinho me disse para voltar lá quando meu braço fosse curto demais. Ok! arranquei várias gargalhadas dos amigos zoando com minha própria cara...
Mas aqui no trabalho, as letrinhas dos relatórios gerados por aquele programinha alemão pareciam que diminuiam dia-a-dia... Minha desmotivação começou a se tornar séria. Nas últimas semanas, vertigens e dores de cabeça acompanhavam minha rotina corporativa. Sem aguentar mais, procurei outro oculista. O dotô me receitou os tais dos multifocais, que fiz com este modelinho aqui do lado e com direito a lentes transitions, aquelas que escurecem no sol. Porque distraída do jeito que sou, não posso ter mais do que um par óculos que coloco de manhã e tiro à noite. Estou endividada até setembro para pagar o danadinho, mas em menos de uma semana consegui colocar todo o trabalho pendente de dois meses em dia.
Só fico pensando se não tiveram mais outras coisas que perdi por não ter feito os óculos certos antes...



sexta-feira, 2 de abril de 2010

A Agregada

Minha turbulência particular me pediu uma folga. O+* teve pena e me chamou pra casa dos avós. Avós porque eu já fui adotada quase que oficialmente, só o vô que decidiu tirar a tarde pra implicar comigo. Supero!
A noite ontem foi sensacional! Já tinha me esquecido como remexer o esqueleto me faz bem. Mas eu tava precisando ficar um pouco longe pra pensar - ou deixar de pensar - em determinadas coisas. Como combinado, Asterísco me ligou as 9h e eu, que tinha chegado as 6h, fiquei no ahn. aham. Me liga quando acordar, ela disse.
Acordei as 10h no maior gás. Forcei uma voz borocoxô e lancei: "Então, mãe. Não vou mais, não!" PU-TA-QUE-O-PA-RIU, disse ela. Gargalhei. Disse que era brincadeira de 1º de Abril no dia 2. Mas a verdade é que já furei tantas vezes que mais não vim do que vim na House Asterísco, e ela acreditar que eu viria era mais difícil do que acreditar que não. Mas excessões existe, né?

O único problema daqui é que o rádio não pega. Quase infartei. Mas lógico, tem o 3G. Opa, cadê o 3G? Ninguém trouxe. Vale matar a amiguinha do coração? Não.
Dormi pra compensar o sono, e agora subi com a caçula e a amiguinha da caçula pra jogar qualquer coisa. Claro, elas lá, nos jogos, e eu aqui, no vício.
Vou lá fazer uma social e beber mais uma cerveja de leve, porque ontem na TW eu fui modelo-padrão: 1 Itaipava, 1 Sukita e duas águas. Sem nicotina, babe. Exceto pelo cheiro no jeans.

Mais tarde, família reunida, jogos, conversa fora e, se a noite acabar cedo, tem as 5 temporadas de sfu pra ver. Mamãe topa!
That's all folks!

Se eu não postar antes, boa páscoa a todos! =]
h'[m]

quinta-feira, 1 de abril de 2010

Come on, come on lets dance all night

Boa páscoa, amigos queridos!

Renovação e chocolates para vocês também...

Beijos