segunda-feira, 31 de maio de 2010

Dia Mundial sem Tabaco - 31 de maio

RECEBI ESTA MENSAGEM HOJE:

Hoje, 31 de maio, celebra-se o Dia Mundial sem Tabaco, e este ano a Organização Mundial da Saúde (OMS) escolheu como tema “Gênero e tabaco com ênfase no marketing para mulheres” para as atividades. As ações visam a alertar sobre as estratégias que a indústria do tabaco utiliza para atingir o público feminino e sobre os males que seus produtos causam à saúde e ao meio ambiente.

No Brasil, o INCA (Instituto Nacional de Câncer) promove a campanha “Mulher, você merece algo melhor que o cigarro”. A principal ação da campanha ocorre na Ilha da Cidade Universitária, às 10h, com o plantio de flores no jardim em frente ao prédio da Reitoria da UFRJ.
O tabagismo é considerado pela OMS a principal causa de morte evitável em todo o mundo. A OMS estima que um terço da população mundial adulta – cerca 1 bilhão e 200 milhões de pessoas – seja fumante.
Saiba mais sobre a campanha no hotsitesobre tabagismo do INCA – Ministério da Saúde.
http://www.inca.gov.br/tabagismo/

FUI LÁ CONFERIR:

Jovens e mulheres na mira da indústria do tabaco
A promoção e o marketing de produtos derivados do tabaco junto ao público jovem são essenciais para que a indústria do fumo consiga manter e expandir suas vendas. O tabaco é a segunda droga mais consumida entre os jovens, no mundo e no Brasil, e isso se deve às facilidades e estímulos para obtenção do produto, entre eles o baixo custo. A isto somam-se a promoção e publicidade, que associam o tabaco às imagens de beleza, sucesso, liberdade, poder, inteligência e outros atributos desejados especialmente pelos jovens. A divulgação dessas idéias ao longo dos anos tornou o hábito de fumar um comportamento socialmente aceitável e até positivo. A prova disso é que 90% dos fumantes começam a fumar antes dos 19 anos de idade. Seduzir os jovens faz parte de uma estratégia adotada por todas as companhias de tabaco visando reabastecer as fileiras daqueles que deixam de fumar ou morrem, por outros consumidores que serão aqueles regulares de amanhã.

Nos arquivos secretos oriundos de documentos internos de grandes empresas transnacionais do tabaco, finalmente revelados durante uma ação judicial movida contra elas por estados norte-americanos crianças e jovens são descritos como "reservas de reabastecimento" e um dos principais alvos estratégicos, devendo se tornar dependentes do cigarro ainda cedo. Além disso, os documentos comprovam que, apesar de a indústria do tabaco se posicionar publicamente de uma forma, suas verdadeiras intenções são completamente opostas. Veja alguns exemplos:

"Eles representam o negócio de cigarros amanhã. À medida que o grupo etário de 14 a 24 anos amadurece, ele se tornará a parte chave do volume total de cigarros, no mínimo pelos próximos 25 anos."
J. W. Hind, R.J. Reynolds Tobacco, internal memorandum, 23rd January 1975

"Atingir o jovem pode ser mais eficiente mesmo que o custo para atingí-los seja maior, porque eles estão desejando experimentar, eles têm mais influência sobre os outros da sua idade do que eles terão mais tarde, e porque eles são muito mais leais à sua primeira marca."
Escrito por um executivo da Philip Morris em 1957

Mais arquivos secretos da indústria do tabaco (em PDF)

Após a divulgação desses documentos e principalmente dos recentes avanços alcançados pela saúde pública no controle do tabagismo, a indústria fumígena passou a adotar um discurso conciliador visando reconstruir sua imagem. Essa nova estratégia inclui o reconhecimento, em parte, dos riscos associados com o tabagismo, o desejo de diálogo, a abertura para regulamentações "racionais" e o envolvimento com projetos sociais para transmitir ao público a idéia de empenho pelas causas sociais como o combate à pobreza, ao trabalho infantil e ao analfabetismo, além da defesa do meio ambiente. Em 2003, a Souza Cruz foi premiada pela Câmera Municipal de São Paulo pela "atuação socialmente responsável" da companhia.

Por esses esforços, fica a impressão de que a indústria do tabaco é contra o consumo do tabaco entre os jovens e promove medidas supostamente dirigidas para prevenir o tabagismo para menores de idade, criando campanhas e utilizando a idéia de que "fumar é para adultos". Porém, na verdade, ao apresentar o cigarro como "adulto" e "proibido", essas companhias buscam colocar sutilmente um importante ingrediente para reforçar o comportamento rebelde do adolescente, pois entre as principais motivações para o adolescente fumar são o desejo de se afirmar como adulto, sua rebeldia e a rejeição dos valores dos seus pais.

Essas estratégias funcionam de forma favorável aos interesses econômicos da indústria do tabaco. São estratégias contraditórias, pois não mudam o interesse dos jovens em consumir cigarros nem reduzem o consumo do tabaco entre eles e ao mesmo tempo beneficiam o setor tabageiro.

O Estudo Global do Tabagismo entre os Jovens, realizado pela OMS em 46 países, revelou um quadro alarmante de dependência prematura. Em algumas áreas da Polônia, de Zimbábue e da China, crianças de 10 anos de idade já estão dependentes do tabaco. Os adolescentes globalizados em Nova Iorque, Lagos e Pequim são vistos como alvos fáceis pelas multinacionais do tabaco. Tendo em vista que as marcas globais são veiculadas na propaganda como um estilo de vida a ser almejado, elas tendem a ser consumidas em larga escala, levando metade de seus usuários habituais à morte.

No Brasil este mesmo estudo foi realizado entre escolares de 12 capitais brasileiras, nos anos de 2002 e 2003, e encontrou uma prevalência de experimentação variando de 36 a 58% no sexo masculino e de 31 a 55% no sexo feminino, entre as cidades. De acordo com o mesmo estudo brasileiro, a prevalência de escolares fumantes atuais variou de 11 a 27% no sexo masculino e 9 a 24% no feminino.

Mulher e tabaco
Com a participação cada vez maior da mulher no mercado de trabalho seu papel social também foi se alterando rapidamente. A mulher passou a ter mais poder, tanto aquisitivo, quanto de decisão, dentro da própria sociedade, onde já exercia um papel fundamental de modelo de comportamento para seus filhos.

Em decorrência de todas essas mudanças, a mulher tornou-se um dos alvos prediletos da publicidade da indústria do tabaco, que passou a divulgar o cigarro como símbolo de emancipação e independência. Isto fez e continua fazendo com que o número de fumantes, principalmente entre o sexo feminino, aumente na América Latina.

No Brasil, outro estudo, realizado em 1997 entre estudantes de 10 capitais brasileiras, mostrou que, em pelo menos sete capitais, as meninas vêm experimentando cigarros em maior proporção que os meninos. A participação das mulheres no número de fumantes vem aumentando, sobretudo nas faixas etárias mais jovens.

Até algumas décadas atrás, acreditava-se que os efeitos da dependência do tabaco era mais forte nos homens, mas à medida que novas gerações de fumantes foram chegando verificou-se que, as mulheres são igualmente ou mais suscetíveis aos malefícios do fumo, devido às peculiaridades próprias do sexo, como a gestação e o uso da pílula anticoncepcional.A mulher fumante tem um risco maior de infertilidade, câncer de colo de útero, menopausa precoce (em média 2 anos antes) e dismenorréia (sangramento irregular).



" beeing a woman sucks "

A bagunça que nos ocupa

Meus raciocínios não mais terminam. Começam, perambulam, se esvaem. Como um Gato de Cheshire, eles aparecem quando menos espero e, quando mais preciso... ploft... simplesmente desaparecem.
Se eu estiver falando, então, ótima cada de idiota. Boca entreaberta, o som que não sai. Na cabeça apenas a pergunta: "do que eu tava falando mesmo?"

Mais do que nunca, começo coisas que não concluo, tenho dúvidas de tudo que penso. Entro em contradição comigo mesma.

Como tudo que não se termina, os pensamentos que rodeiam minha cabeça são sempre os mesmos. Tudo que não termina, não acaba e a quantidade de lixo mental que me ocupa é passível a desmoronamentos.

Pra variar, não lembro exatamente o que eu queria falar, mas dizer que tudo aqui dentro tá incompleto, já completa o pensamento.

h'[m]

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Eu li tua carta

e preciso achar uma palavra que possa te responder, mas esta palavra não aprendi ainda a te dizer.

quinta-feira, 27 de maio de 2010

E os bonzinhos, pra variar...

Um usuário me ligou a uns minutos atrás pedindo informação de um processo. Fuxico daqui, fuxico dali. Informo o prazo de entrega. Ele me questiona.
Ok. Pedi as informações do processo pra pegar mais informações. Quantos digitos!
- 3 milhões? É sério?
- Tá achando caro?
- Tô!
- Se você ver o tamanho do projeto, você acha barato.

A essa altura, eu já tinha visto que o pedido não era meu, sequer era da minha gerência. O normal seria eu avisá-lo que o responsável pela compra era fulano e repassar a ligação mas, conhecendo a outra gerência do jeito que conheço, pensei: "deixa eu ajudá-lo, que lá ele não vai conseguir é nada!"
Ok. Peguei todas as informações que eu precisaria pra dar uma apertada no fornecedor e liguei.
- Oi, aqui é fulana de tal, queria conversar sobre um pedido.
- Oi, fulana, me passa o número, por favor.
- 1234554321!
- Quem tá falando?
- Fulana!
- Fulana da onde?
- Daqui!
- O que você quer saber?
- Bom, eu tenho informação do prazo de entrega pro dia 01/10/2010, e o usuário queria saber a possibilidade de adiantamento.
- Você fala de onde mesmo?
- Daqui.
- Você conhece a Beltrana?
- Não.
- E o Cicrano?
- Também não.
- Bom, então você procura a Beltrada, Daí, e fala com ela. Bla bla bla bla.



Bom, o papo foi um pouco mais longo e mais grosso que isso. Mas depois eu entendi. Trata-se de um projeto de inovação tecnológica, quase ultra-secreto.
Mando um e-mail bem sucinto e explicando ao usuário deixando claro o quão maltratada fui.
Mas aí depois o usuário me liga e diz:

- Ah! É que eu tava estranhando, a gente tinha combinado outro dia um ouro prazo e não era esse. he! he! he!

Ok. E por que mesmo que você não me avisou?
Pra eu levar patadas gratis e me sentir o cocô-do-cavalo-do-bandido pra uma determinada empresa.


Notação mental: Lembrar que quebrar o galho de alguém pode me fazer quebrar a própria cara.
Por que tão Loser, me diz?

/me bufando!

h'[m]

E mais outra...

A eterna luta das mulheres contra a balança da maldade...


A verdadeira maldade é aquela que se apresenta em frascos inofensivos.Disfarçada de instrumento de precisão para que ninguém desconfie de seus verdadeiros objetivos, disseminar a discórdia e o mal, a balança é , entre tudo o que existe no planeta, a coisa que tem o maior poder de destruição do humor feminimo. Sob uma aparente objetividade, se esconde o inominavel. A balança é tão cruel que mesmo aquelas mulheres que já estão com os ossinhos do ombro mostrando suas pontas, se convencem que têm que perder mais dois quilos toda vez que sobem nela.

Este fenômeno é assombroso, e, infelizmente, temos que reconhecer, escapa à uma capacidade de intelecção comum. Mas, como sempre, não desistimos. Curiosamente, em função de alguns incidentes, que podem não ter sido, assim, tão acidentais, cogitamos seguir uma linha investigativa ousada sobre este assunto.

Tudo começou há uns dois anos, quando recebemos uma denúncia anônima de uma operária de uma multinacional conhecida (vamos ocultar o nome com medo de retaliações) do ramo de balanças digitais que disse estar passando acidentalmente pela porta (sempre trancada) do setor de Qualidade Total, justamente na hora em que uma pessoa muito sinistra saia de lá. Ela diz “A gente já sabia que o pessoal da qualidade é meio estranho mesmo, mas o que eu realmente achei esquisito era aquela fumaça, com cheiro de incenso e penas de galinha”. Continuamos trocando e-mails com esta moça por uns dois meses, quando, de repente nossa comunicação foi interrompida e, desde então, todos os nossos correios voltam com a mensagem de que sua caixa está cheia.

A partir daí não foi dificil formular a hipótese de que haja algo que não se pode dizer o nome por trás daquele simples visor. Começamos então a experimentar novas técnicas de olhar a balança, evitando olhar diretamente, para evitar seu efeito devastador. Começamos tentando óculos escuros, em vão. Depois passamos a ler os números com a ajuda de um espelhinho, esta técnica se mostrou eficiente para alguns números, mas terríveis para outros. Uma das autoras deste livro, desenvolveu uma técnica especial, ela pede para seu filho do meio olhar para a balança e só revelar o que viu submetido a um detector de mentiras. Nas três ultimas vezes que utilizou esta técnica, os números se mantiveram inalterados em 96,8 Kg. Mas como ela era a que mais se correspondia com a operária da fábrica de balanças, ela não se importou com isso e seguiu sorridente pela vida, até que na semana passada, viu aquele gato que ela se derretia toda, namorando uma jovem com a metade do peso que aparecia em sua balança. Desde então, entrou num programa de emagrecimento via Internet com resultados surpreendentes (veja abaixo) em todos os sentidos - inclusive sobre o rapaz . É lógico que isto estourou seu cartão de crédito, mas enquanto não recebe os direitos autorais por este livro, ela está pagando suas dívidas, emplacada numa carreira de cantora e compositora de sucesso. Vamos, então, publicar para vc em primeira mão as cifras de uma de suas canções que chegou ao top 10.

Tom: F#m

Intro:E (F#m B G#m C#m)

F#m B

Oh, cê não acreditou

G#m

Você nem me olhou

C#m

Disse que eu era muito gorda pra você

F#m

Mas,

B

Agora que eu tô magra você quer

E

Me namorar

F#m B

Oh cê não acreditou

G#m

Você se quer notou

C#m

Disse que eu era muito gorda pra você

F#m

Mas,

B

Agora que eu tô lipo-aspirada você quer

E

Me namorar

F#m B

Não vou acreditar nesse falso amor

G#m C#m

Que só quer me iludir me enganar isso é caô

F#m B

E pra não dizer que eu sou ruim

E

Vou deixar você me olhar

Só olhar, só olhar, baba

F#m

Baby, baba

Olha o que perdeu

B

Baba, a baleia emagreceu

G#m C#m

Bom, bem feito pra você eh, agora eu sou mais eu

F#m B E

Isso é pra voce aprender a nunca mais me esnobar

Baba baby, baby, baba, baba

F#m

Baby, baba

Olha o que perdeu

B

Baba, a baleia emagreceu

G#m C#m

Bom, bem feito pra você ehh, agora eu sou mais eu

F#m B E

Isso é pra voce aprender a nunca mais me esnobar

Baba baby, baby, baba, baba

F#m

Baby, baba baba ba

B

Baby baba baba ba

G#m


Antes:

Depois:

Veja só a cara de mal-humorada que ficou uma das autoras deste livro depois de seu tratamento de emagrecimento pela Internet. No momento ela está tomando Prozac para superar o trauma.

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Cinéfila Satisfeita

Até quando o jogo vale o que custa?
Você é um cara feliz. Metido a turrão. Trabalha no sonho de consumo de 50% da população mundial: É policial americano. Sua nacionalidade irlando-inglesa é motivo de inveja. Você mora no país dos sonhos, na cidade dos sonhos e tem até o emprego dos sonhos. Não, não é um policial comum! É o chefe do departamente de imigração dos EUA! Aposentadoria a caminho. Tudo seria perfeito, exceto pelo fato da solidão que esconde. Bebe por algum motivo que todos desconhecem.
Um dia você decide brincar. Todos entram no jogo, não necessariamente por vontade. Schadenfreude. O prazer que se sente com a dor e a humilhação ao outro é indescritível. Você é o dono do jogo e isso faz bem ao ego. A vida de todos que estão na sala de vidro depende de uma decisão: pode ser questão de política ou, simplesmente, do seu bom humor. O jogo começa, você dá as cartas. O problema é: após a primeira rodada, nem tudo depende só de você.
Olhos Azuis é assim. Você aprende que quando você perde o controle da sua vida, muitas outras podem estar em jogo. Hipnotizante do 5º primeiro minuto até horas após o final.
Uau! Foi com esse suspiro que deixei o cinema. U-a-u!

Não conhecia o trabalho do José Joffily. Foi paixão a primeira vista.

Só pra constar: saí de casa pra ver "Viajo porque preciso, volto porque te amo!". Literalmente, a bonequinha aqui dormiu várias vezes durante o filme. Não recomendo!
Mas como eu sou a cinéfila sortuda, caí de paraquedas nessa pré-estreia, que não só salvou a noite, como deu uma super lição de moral pré-aniversário.

A quem interessar:
Olhos Azuis (Brasil, 2010)
Estreia: 28 de maio.
Duração: 111 min
Direção: José Joffily
Com: David Rasche, Frank Grillo, Erica Gimpel, Cristina Lago e Irandhir Santo.
[bonequinha aplaudinho de pé]
É como eu sempre digo: em jogo de ganha-ganha, todo mundo sai perdendo!
Uau!

h'[m]

Outra daquele livro

Gosto do gosto da sua boca, do seu cigarro...
Os vícios sao coisas que se repetem pelos dias. Como os ponteiros de um relógio, o círculo vicioso cumpre um ritual executado pelo corpo escravo de uma vontade autônoma. A mão que acende o cigarro é a mesma que apedreja. Não há liberdade no vício, apenas prazer.

Por sua vez, o prazer de fazer o bem, de agir certo, de ter bom e saúdaveis hábitos, que é conhecido como virtude, nada mais é do que um vício. Ou alguém pode acreditar que um ser humano são pode sentir prazer em uma rotina regrada e em uma alimentação equilibrida dia-após-dia. O ser humano sem vícios não tem prazer, pois não se abandona. Não é humano.

É claro que existem aqueles, e conhecemos vários, que desde cedo encontram a virtude, a disciplina e hábitos saúdaveis. E encontram prazer nisto. Estas pessoas sofrem de um vício dos mais perigosos, por ser socialmente aceito e reforçado. Milhões de litros de tinta são gastos diariamente na publicação das sessões de saúde dos jornais e revistas com o objetivo de incentivar o comportamento virtuoso. O viciado em virtude sofre com as contradições da imprensa. Num dia não come açucar, no outro não toma café. Agora não toma leite. Manteiga, nem pensar. Margarina está out. O filho de uma das autoras deste livro sofre deste mal. É uma situação difícel e delicada que uma família e os amigos mais próximos tem que enfrentar. Seu depoimento é comovente. “ Eu não posso ver uma casa de sucos que entro logo e peço uma tijela de açai com granola ”. A mãe resolveu enfrentar o problema e depois de muito conversar com petiz, ele se convenceu a largar o vício. O tratamento inclui noitadas em bares bebendo cerveja com direito a uma média com pão e manteiga na padaria da esquina ao amanhecer. Ele tem tido muitas dificuldades em se acostumar com a nova rotina. E só fica satisfeito quando tem briga no bar e ele pode treinar alguns golpes de jiu-jitsu. Toda vez que isso acontece ele tem uma recaída e ameça largar o tratamento e voltar para a academia. Mas, paciêcia de mãe é inesgotável e lá está ela de novo fazendo ligações para reservar uma mesa nos bares 24 horas da cidade e arredores.

Esta autora, para superar seu drama familiar, escreveu sua tese de mestrado sobre os viciados em virtude. Ela conta que desde criança seu filho tinha medo da madrugada e acordava e dormia cedo. Em seu tratamento, o rapaz relatou um sonho muito elucidativo de seu sintoma. “ O de estar olhando um relógio de ponteiros que giravam no sentido contrário” Foi a partir deste sonho que a autora definiu o círculo virtuoso. O círculo vicioso é a própria vida- pois não há o que fazer para evitar o pior. O virtuoso seria a ilusão de algumas pessoas que, com medo da meia-noite, criam a fantasia de que podem evitar que ela se aproxime invertendo o sentido do vício em virtude. A autora diz que o grande risco desta doença é a falsa oposição entre vício e virtude, quando ambos são a mesma coisa. O que é agravado pelo fato dos virtuosos, ao contrário dos viciados, não terem consciência de estar doentes. Seu conselho para qualquer pessoa que queira enfrentar o vício , seu ou de algum familiar, é aceitar que não existe o ex-viciado. Existe apenas aquele que escolhe trocar de vício. Esta é a única fração de liberdade concedida aos mortais.

Este conselho foi de grande ajuda para outra autora que resolveu aplicá-lo para tentar parar de fumar.

terça-feira, 25 de maio de 2010

Mais uma que nunca foi escrita

Ela disse adeus...

Ela nos contou que deixou um bilhete no espelho escrito com batom vermelho, apagou o último cigarro na pia do banheiro e saiu sem levar as chaves. Tinha deixado muito para traz, mas iria pensar nisto depois. Disse que sabia que ia sofrer, que ia sentir saudades de vê-lo palitando os dentes ou de brigar para ver quem usaria o banheiro pela manhã. Não, definitivamente, não foram as pequenas desavenças que envenenam um relacionamento. Não fora o egoísmo ou a mesquinhez. Não foram as flores que ela nunca recebeu. O tempo de se importar com isso já tinha passado e ela tinha ficado. Perguntamos o que tinha sido então? Ela não quiz dizer. Estava visivelmente escondendo algo. Talvez ainda para proteje-lo. Afinal tinha desenvolvido um sentimento maternal por aquele homem.

Mudou de cidade, tentou um novo emprego e uma bolsa de doutorado. Conseguiu os dois. Escolheu estudar. Dois anos depois, recebemos uma carta dizendo que viria nos visitar com os filhos, gêmeos. Disse que estava bem, superando a vergonha e a culpa, e que não usava mais mangas compridas. Choramos com ela. E ela nos pediu para incluir uma canção de despedida para ele em nosso livro. Escolheu um rock.:.

As lagrimas que correm no seu rosto agora, escondem a indiferença que sentias por mim.

A vingança nao existe em meu coracao. Mas nao te quero mais.

Sei que vc espera um dia voltar para mim. Sei tambem que o seu jeito e irresistivel sim.

Vou ser clara nessa cancao que fiz: nao te quero mais.

Estou milhas e milhas distante, no solo lunar, a procura incessante de um novo olhar.

Os dias vao passando e eu me sinto bem assim. A solidao enfim nao e tao ruim

Eu espero que sejas feliz. Nao te quero mais.

Estou milhas e milhas distante, no solo lunar, a procura incessante de um novo olhar.

Vou ser clara nessa canção que fiz: não te quero mais

Estou milhas e milhas distante, no solo lunar, a procura incessante de um novo olhar.

Estou milhas e milhas distante, no solo lunar, no solo lunar, no solo lunar.

Dissemos para ela que não acreditávamos que um dia ele fosse ler nosso livro e que seria inutil publicar. Ela disse que não importava mais - ele pensasse o que quisesse. Não se despedia por ele e sim por ela. Sentia o cheiro da chuva na terra quente e queria reaprender a andar descalça. Tudo bem, dissemos, ainda meio na dúvida se não iria contrariar a linha editorial deste manual de sobrevivência. Mas se coloque no nosso lugar, vc não faria o mesmo?

Se vc acha que sim,ligue para 0300-69-69-69 se vc acha que não, ligue para 0300- 666-666. No próxima edição publicaremos o resultado da pesquisa.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Analista de Bagé

Semana passada, estive fazendo um curso de Relações Interpessoais. Se eu tinha alguma dúvida dos meus talentos analíticos, virou poeira. Modéstia a parte, de simples participante, ocupei lá um lugar chave na criação de uma identidade de grupo acolhedora, amistosa e interessada nos dilemas dos outros.
Tá bom que eu não tenho o requinte teórico do Renato. Eu sou intuitiva e me utilizo da empatia para apurar meu ouvido para o outro, mas eu realmente faço isso e acabei aprendendo. Talvez não seja mesmo talento e sim uma disposição de buscar uma ponte. Ou como disse o teste de cores , 'Procura transpor a lacuna que ele sente que o separa dos outros'.
O contraditório é que mesmo assim, eu percebo o quanto me vejo mesmo sozinha. Se eu abro caminhos para chegar no outro, não é tão fácil eu deixar o outro chegar em mim. No meio do castelo, protegida por uma cerca de espinhos, que nenhum heroi ousou transpor. Os poucos que tentaram eram loucos, não heróis e se perderam num labirinto. Alguns ainda não encontraram o caminho de volta para um lugar seguro. E por acreditar nisso, sabe-se lá se verdade ou não, tive medo.
Mas aí veio a caçula. E tive que doer vê-la sofrer como efeito dos descontroles, da falta de senso. E doeu. Doeu como se transpassada por uma faca, não uma afiada que faz um corte preciso e fino, mas uma faca cega que com a força que entra, rasga e dilacera. Sim, a caçula é um labirinto de espelhos, um retrato de dorian gray: é o retorno da minha imagem mostrando o que não gosto nela.
O infinito ou a imensidão verde do mar não podem ser mais os deuses mais bonitos. Está na hora de aparar a grama do jardim, sentar a beira do fogão para cerzir as meias dos pequenos e tomar um chimarrão, ajeitando minha cadeira nas histórias de tias, avós, primas... Hora de dar um intervalo na cavalgada por este mundão cheio de guerras e revoluções e sentar entre os meus para contar minhas histórias. Eu até acho, hoje, que eles gostariam de ouvir...

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Síndrome de Jay Vaquer

Sou de gêmeos. Sou dois extremos. E se música é vida, vamos tocá-la no maior decibel.
Chris diz que eu repito as músicas. Mas quem não repete os vícios? Se o trident de Tangenina Mix é sensacional, porque eu não posso mascá-lo, repetidamente, até enjoar?

Sou impulsiva, sou extremista. Ou não. Extremista não-fanática. De querer ao extremo, de querer sempre muito, sempre tudo. Como dizia o Chaves: "prefiro morrer do que perder a vida". Vida que se perde, tempo que se passa. Tempo não volta, acredite! Não no efeito borboleta.
Meu sentimento de "manteiga voadora effect" me permite apenas relembrar. E se a lembrança traz o gosto e o gosto traz a lembrança, por que não ler, reler, ouvir e reouvir?


Ouço as mesmas músicas, o+*, porque sou loser. Ouço as músicas que me lembram algo, alguém. E não preciso nem dizem quem.
Sim o Jay Vaquer grita, mas grita o grito que me trava a garganta. E se cantar com ele alivia a tensão, limpa os poros e até o rosto fica mais suave, por que não repetir até tirar todo esse acúmulo de coisas pesadas e mortas?
Pra você entender o porquê o escolhido do momento foi o Jay Vaquer, vou tentar explicar como meu raciocínio se desenvolve:


Quando ouço "Insisto, resisto, invisto no jogo sem cartas na mesa, certeza: nenhuma!", lembro o quanto você me diz que isso é chato, que sou pegajosa. "Perfeito. Bom proveito! Escolha o meu defeito e me dê!".
Eu me pergunto, me questiono! No fundo "eu acho tudo tão claro pra qualquer um. Eu sei que me custa caro pensar demais".
Te conto que mais uma vez "eu perco o sono lembrando cada gesto (...), qualquer bandeira". Procuro sinais. Você me mostra coisas que eu não conseguia ver! O que "ninguém explicava e eu ficava sem entender".

Tenta me explicar que não existe sinal. Que tudo não passa de um jogo de gato e rato. Que eu devo "fingir que tá tudo certo, que a minha vida continua da mesma maneira", mas tudo que eu penso é "que o jogo é jogado, deixa de lado o resultado", que nesse jogo de ganha-ganha, todo mundo sai perdendo. Eu finjo que aceito, finjo que entendo. "Sem alarde me recolho, escolho me calar".

"Eu não sei viver triste, sozinha, é a minha condição". Como você mesma diz: "você, madre teresa, uma bondade só!" Mas no final das contas, de que adiantou tanta justiça, tanta lealdade? A gente descobre que mesmo "quem com o ferro não fere, será ferido também!"

E aí é hora de reiniciar o playlist, porque meu raciocínio porque eu até entendo, mas "insisto, resisto, invisto" e o jogo vai sempre continuar.


Ps.: Ainda bem que você não tá aqui hoje pra reclamar da gritaria do Jay!

Trechos retirados das músicas: Nera, Idade se eu quiser, Na próxima vez, Preciso dizer que te amo, Quando fui Fred Asteire, Aquela música, A miragem, A falta que a falta faz, Condição, Mondo muderno, Você não me conhece e Nera.

Preciso nem dizer que essa música não tá aqui no post, mas que é a que eu mais gostaria de poder ouvir um dia, né?

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Dispersos

O surto de bom humor que me acomete pelas manhãs quando passo a madrugada jogando truco tá mesmo me deixando bizarra. Acabei de percorrer minha lista do messenger desejando bom dia para todo mundo!!! kkkkkkkkk

---------------------- X ------------------------

Como dizem, se pode enganar muita gente por pouco tempo ou enganar pouca gente por muito tempo, mas não se pode enganar todo mundo o tempo todo. Eu sou daquelas que acho que a verdd sempre aparece no fim:




----------------------- x-------------------------

Segui a dica do Edu , do Pampublikong e do Ipertamento, e vou postar. Ainda nem li... tô meio q com preguiça...mas ficando aqui no meu registro diário, um dia, quem sabe, eu leia.

Como voc� opera, age, frente aos seus objetivos e desejos:
Necessita de reconhecimento. � ambicioso, quer impressionar e ser respeitado, ser popular e admirado. Procura transpor a lacuna que ele sente que o separa dos outros.

Ocupa-se f�cil e rapidamente com qualquer coisa estimulante. Preocupado com coisas de natureza intensamente emocionantes, sejam elas estimuladas por erotismo ou por outro meio. Quer ser considerado como sua personalidade emocionante e interessante, com influ�ncia totalmente encantadora e impressionante. Usa t�ticas inteligentemente para n�o prejudicar suas possibilidades de sucesso ou solapar a confian�a adquirida.

Suas prefer�ncias reais:
Evita esfor�o excessivo e precisa de ra�zes, seguran�a e de companheirismo tranq�ilo.

Est� tentando melhorar sua posi��o e prest�gio. Satisfeito com as circunst�ncias presentes e considera que algum melhoramento � essencial para o seu amor-pr�prio.

Sua situa��o real:
Fica angustiado quando suas necessidades ou desejos s�o incompreendidos e sente que n�o tem a quem recorrer ou em quem confiar. � egoc�ntrico; portanto, ofende-se com facilidade.

As circunst�ncias obrigam-no a transigir e a abrir m�o de alguns prazeres, por ora. � capaz de sentir satisfa��o f�sica na atividade sexual.

O que voc� quer evitar:
Interpreta��o fisiol�gica: Suscetibilidade pronunciada a est�mulos externos. Interpreta��o psicol�gica: Quer superar a sensa��o de vazio e transpor a lacuna que sente que o separa dos outros. Est� ansioso por experimentar a vida em todos os seus aspectos, explorar todas as suas possibilidades e viv�-la na sua plenitude. Portanto, resente-se de qualquer restri��es ou limita��o que lhe seja imposta, e insiste em ser livre e desimpedido. Em suma: Auto determinismo vigilante.

interpreta��o fisiol�gica: Demonstra impaci�ncia e inquietude e tende a depress�o. Interpreta��o psicol�gica: Sente que n�o pode controlar a situa��o para criar a capacidade de participa��o de que necessita e, assim, permanece relutante em se colocar irrestritamente nas m�os de outra pessoa. Est� resistindo a condi��o ou a rela��o que considera responsabilidade desestimulante. Acha que a vida tem muito mais a oferecer e � prov�vel que continue sendo impaciente irritadi�o at� que tenha obtido tudo o que acha que lhe falta. O impulso para fugir desse estado insatisfat�rio leva, a inquieta��o e a instabilidade. A concentra��o pode sofrer. Em suma: N�o-realiza��o continua e impaciente.

Seu problema real:
Resiste violentamente a influ�ncia externa e a qualquer interfer�ncia em sua liberdade de tomar as pr�prias decis�es e fazer seus pr�prios planos. Trabalha para estabelecer e consolidar a pr�pria posi��o.

Teme que o impe�am de conseguir o que deseja. Isto o leva a p�r em campo todo o requinte de sua personalidade, esperando, assim, mais facilmente alcan�ar os seus objetivos.

p.s. estas interrogações não são fofas??

terça-feira, 18 de maio de 2010

Presente da Vaca

Confesso: Fiquei super traumatizada com ela por não ter ganho um Vaca Awards, mas tudo bem. Superei hoje, depois DESSE presente!


Ficou mais bonito que o original, diz aí!
Agora sim, aquela festa vai ser toda minha!

Enjoy the party! Let's celebrate!

Obrigada Vaquinhaaaaaaaaaaa!
h[m]

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Outside Party

Sei que todo mundo aqui sabe que sou geminiana ao extremo, mas como sei que nem todo mundo sabe/lembra a data, vim aqui pra ajudar os amiguinhos com dificuldades.
Meu aniversário é no outro sábado, dia 29. E como boa geminiana festeira que sou, quero mais é comemorar! \o/

A primeira comemoração já oficial é a festa Outside Party, que terá sua edição, pela primeira vez, no Circo Voador! Como vocês, amigos blogueiros, foram parte fundamental nesse ano de 2009/2010, faço questão de convidá-los!

Pra deixar vocês com água na boca, segue o flyer da festa!



Além da DJ Dri Toscano e do Chopp duplo até 0h, o auge da festa fica por contra da presença ilustre da Mulher Asterísco! Isso mesmo! O+* em sua primeira aparição na night gay carioca!
O ingresso (inteiro) custa R$ 40,00, mas quem não paga meia não precisa chorar. A amiguinha aqui vai por lista de aniversariante, e o ingresso fica a R$ 20,00 a noite inteira!

Pra quem animou, é simples: Pode comprar antecipado pelo site Ingresso.com, ou mandar o nomezinho pra Hello aqui colocar na listeeenha!

E ae, PartyU?

h'[m]

Truco, ladrão!

Acordei feliz...

Desde a entrevista no YAG tenho me sentido diferente. Passei minha vida toda comigo num relacionamento estimulante mas muito cheio de cobranças. Olhando para a frente, descobrindo novos caminhos, batendo a cabeça, voltando, recomeçando, fazendo planos, mas sempre pensando no que ainda falta conseguir, conquistar, melhorar em mim mesma...
Ouvir a minha voz como quem ouve uma outra pessoa me fez pensar no quanto já me tornei. E sabe do que mais? Menos do que admirar aquela moça que deu a entrevista, eu simpatizei com ela, senti carinho.

Neste fim de semana descobri um site de jogos e me acabei no truco...truco paulista com manilha variavel. A-do-ro. Dormi às 3 da manhã e 9:06 consegui estar no trabalho, cantarolando. ;-)

Acho que agora é oficial que não quero mais Ele. Não sinto dor, não sinto tristeza. Fiz o que pude. E no fim, fui injusta. Normal. Eu também erro. Não estou arrependida. Simplesmente quero viver um pouco mais as possibilidades de ser quem sou.

Hoje é o dia D do resto de minha vida. Grave esta data: 17 de maio. O plano é o 30+5. As cartas estão na minha mão. Não é blefe, tenho um zap na mão. O resto do jogo não é formidável, mas é adequado. Basta jogar a carta certa na mão certa, sem me apressar.

Um beijo para vocês e para o cara da TI daqui, que hoje decidiu deixar eu ser completamente feliz.

Um brinde ao resto todo de nossas vidas!
* Mulher Asterisco levantando sua caneca maravilhinda PELO AMOR DA VACA JERSEY*

sexta-feira, 14 de maio de 2010

DESABAFO

EU QUERO BRINCAR DE COMENTAR BLOG ALHEIOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

EU ODEIO A TI !

--
o+*

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Não vale pra O+*

6 Coisas que vocês não sabem sobre mim?

1 - Tenho tantas manias que até Zeus duvida.
2 - Detesto quando mandam - ou sugerem agressivamente - que eu faça alguma coisa. Não é que eu não goste. Eu de-tes-to!
3 - Eu já trai.
4 - Já fiz (e adoro fazer!) loucuras/surpresas de amor.
5 - Nunca termino o que começo. Desde uma frase, livros, seriados, posts, faculdades...
6 - Não gosto de competir, mas nunca jogo pra perder.

Como sou do contra, quero por o 7: Eu tiro meleca!
hahahaha

h'[m]

Eu também tenho este tal de meme

Já que acabei sendo lembrada pela Vaca das divinas tetas, vão aí 6 (ou mais coisas) sobre  a mulher antes da Asterísco...

1- Tomei mamadeira até 10 anos de idade
2- Quase não enxergo do olho esquerdo. Por isso, minha maior frustração é não conseguir ver filmes em 3D.
3- Estudei em colégio de freiras só de mulheres. Minhas colegas me achavam CDF, mas eu não era. Eu as achava futeis e vulgares, mas talvez não fossem.
4- Comecei 4 faculdades e não terminei nenhuma. O único diploma que tenho é o de atriz. Mas não gosto de atuar porque não gosto de fingir. Se é para subir no palco, que seja sendo eu mesma, já que gosto de falar em público.
5- Já fiz a minha jornada em busca do sentido da vida: Catolicismo, Hare Krishna, Budismo, Daime, Esoterismo. Mas não adiantou, acabei me rendendo ao meu ateismo com pitadas de bruxaria...
6- Meus relacionamentos amorosos duram em média 4 anos...estou saindo do quinto destes relacionamentos. Adoro DR´s e nunca tive a sorte de um amor tranquilo com sabor de fruta mordida. Também nunca fingi um orgasmo nem nunca transei por me sentir constrangida em dizer não.

Agora deixo a bola com a Hello...
 
P.S. A empresa mantém o bloqueio. Não conseguimos editar nosso próprio nem comentar diversos blogs. As vezes não conseguimos comentar nada e outras vezes nem vemos blog nenhum... nosso sumiço não é intencional...=(

terça-feira, 11 de maio de 2010

De áries

Não consigo mais olhar pra Dama de Áries e não sentir nada. Não consigo pensar nela menos de 3 vezes por dia.
Tão loser sou que sonhei com ela. E foi um sonho deveras bom e divertido. Acordei com aquele sorriso no canto da boca. Abri o celular pra conferir a hora. Não encontrei a hora, só um "1 mensagem nova". Era a Danx. Mensagem de 6 horas antes, desejando bons sonhos com a musa. Mensagem atrasada, Danx. Eu já tinha sonhado! Respondi e ri, lógico. Mais 20 minutos pra finalizar o sonho com chave de ouro, e o terminei com um interrogatório super inusitado.

Acessei a comunidade "eu viajo dirigindo" no caminho pra cá. Relembrei do sonho, imaginei cenas, criei situações na minha cabeça.
Me perguntei como eu pude não achá-la linda em algum momento da minha vida. Pensei no meu top 3. Ela é o 3 do meu top. Poderia ser o 1, mas é o 3. Lembrei do quanto é difícil se aproximar. Não sei se é ela que cresce, ou eu que encolho. Sei que peco em tudo que se diz respeito a ela. Mas não quero me sabotar dessa vez.
Se tem uma coisa nela que me assusta mais, é a beleza. Não lido bem com a beleza. Não a consensada. Se no nosso meio, tudo é motivo pra inveja e fofoca, beleza é o primeiro foco. E isso sempre me afastou das pessoas bonitas ou famosas. A princípio, a beleza exterior dela encobriu todo o conjunto. Agora, a beleza a completa.
Por enquanto só observo. Como não estou jogando, quando quero mandar um "oi", eu mando. E isso me tranquiliza.
Seu sorriso soa como música para os meus olhos.
O apelido? Veio dessa música homônima do Playmobille.

"Atenciosa dama, que de olhar me acanho
Me faz mais hébrio que meus loucos sonhos
Me olhe, eu estou aqui
Chegando perto pra você me sentir"

=)

(pausa para análise)

Estou rindo do que, agora? Por que tenho tanto medo?
Xiii! Estou oficialmente encantada por ela. Fudeu!

h'[m]

segunda-feira, 10 de maio de 2010

A palavra nossa de cada dia

O que é melhor do que ganhar a caneca de uma sexy and hot Vaca numa disputadíssima gincana?
O que é melhor do que ser entrevistada pelo Gato de Cheshire e descobrir que eu pareço mais jovem, mais bonita e mais loira do que sou?
O que é melhor do que não entender nenhuma das postagens do Edu e mesmo assim sentir que o dia ainda não começou enquanto não as li?
O que é melhor do que a vontade diária de ir para Aracaju dar um xero no AD e outro no Caju?
O que é melhor do que ficar esperando o dia em que o Braccini vai usar todo o Kenzo Air e me hipnotizar com textos seus?
O que é melhor do que acompanhar as sagas de Well Bernard, CPessoa e Visão com suas descobertas, conflitos, questionamentos e conquistas?
O que é melhor do que rir das trapalhadas de mamys, papys e dos amigos do Lobo e terminar de ler com vontade de colocar o canino no colo e dar comida de verdade para ele?
O que é melhor do que gostar mais dos filmes pela maratona do Diego ou pelas análises do Renato do que quando eu os vejo eu mesma?
O que é melhor do que se encantar com a decoração de uma katana de bambu e descobrir que vodca e chocolate combinam?
O que é melhor do que não gostar de poesia porque se tem cerébro cartesiano e por isso nao saber o que comentar nos posts do Guará mas achar o cara gente boa e não querer perde-lo?
O que é melhor do que dividir um blog e quase eliminar o risco de uma postagem com zero comentários, a suprema dor de um blogueiro?


O que é melhor do que cada uma destas coisas é tudo junto. Neste tempo aqui tenho me recusado a seguir ordenações e organizações. Marcadores, as vezes. Títulos grandes ou pequenos. Assuntos que estou com vontade na hora. Discussão de Relação ou piada politicamente incorreta, tanto faz. Cabe tudo. Um blog confessional. E aqui tenho encontrado o consolo e o perdão. Não acredito em Deus nem nas igrejas, mas acredito na gente. Obrigada. Vocês fazem meus dias melhores. Que seja assim enquanto for. Já valeu!




O+* cortando cebola para fazer um almoço em homenagem ao Gato de Cheshire.

Quantos anos são necessários para uma sujeira virar uma pérola?

You remind me I live in a shell,
Safe from the past,
and doing' okay,
but not very well.


--
o+*

sábado, 8 de maio de 2010

Dia das mães

Estou agora nos preparativos da festinha surpresa que estou organizando para a caçula, a impaciente. Este ano, pela primeira vez, ela me deu um presente de dia das mães comprado com o dinheiro dela....E o que era? Um ursinho de pelucia. Antes de dar, ela perguntou o que eu achava de um ursinho de pelucia...eu respondi: suja muito! Primeiro presente que ela compra e eu a deixei traumatizada...normal. Sou uma mãe esquisita. A filha mais velha vai esquecer de ligar, por isso já to postando para que se ela ler isso aqui, que ligue...hauhauah
Mas a caçula sempre foi o meu presente de dia das mães. Nasceu na antevéspera. Neste ano, é no mesmo dia. Então para mim, é mesmo o dia do aniversario de ser mãe, um verdadeiro dia das mães. Eu sempre improvisei em tudo, disfarçando a falta de empenho com um certo talento e alguma criatividade. Com ela não. Desde que esta menininha nasceu, meus improvisos tem sido rejeitados ou punidos. A vida mudou. O eu deu lugar ao nós. E se parte do prazer de amar é gostar da pessoa que a gente se torna quando ama, este amor de mãe teve pouco prazer para mim até hoje. Não gostei de mim como mãe. A mãe que eu pude ser até hoje não passou no teste de qualidade a o+*.
Hoje me arrependo por não ter curtido mais ou ter estado mais presente. Ela já está da minha altura. Tem poucos timbres infantis na voz e está começando a ter um mundo no qual eu sou uma intrusa.
Quando recebi o ursinho, eu só pedi a ela que dormisse com o ele para pegar o cheirinho dela e me desse somente no domingo de manhã. Um domingo de dia das mães que eu estarei em paz e feliz com a minha maternidade.

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Always running out of time

Hoje acordei e não pensei nela. Acordei 45 minutos antes do horário que deveria passar pela roleta do trabalho. No maior estilo Coelho Branco: "estou atrasada, estou atrasada" era tudo o que se passava na minha cabeça. O nervosismo era tanto que nem na roupa eu conseguia pensar.
Por 3 segundos, parei e consegui pensar em como fazer pro show do Playmobille hoje: me ofereço pra ir pra casa de uma ex, ou vou tirar um belo sono em casa?
Estou atrasada, Estou atrasada. Pensamento de volta na hora. Banho de Cheshire. Calça, blusa, meia, tênis. Expresso Linha Amarela no maior estilo Motta (o pai!). Crachá passado as 9:03. Ufa!
Objetivo: Chegar ao trabalho antes de 9:10
Situação: Concluído com êxito.

A questão é: desde que passei o crachá, ela não me sai da cabeça.
Será que essa fase nunca vai passar?

Uma semana


Não te ligo, mas não é por orgulho. Se eu ainda acreditasse que você ouviria as coisas que  quero dizer, ligaria...
Vinha dirigindo para o trabalho, vendo um sol suave banhando a Baia de Guanabara e tocou uma música que me lembrou você.  É... não são mais todas as músicas que ouço que têm o seu cheiro. Mas algumas serão sempre suas.

Eu grito por liberdade,
Você deixa a porta se fechar.
Eu quero saber a verdade
E você se preocupa em não se machucar.

Eu corro todos os riscos,
Você diz que não tem mais vontade.
Eu me ofereço inteiro
E você se satisfaz com metade.
É a meta de uma seta no alvo,
Mas o alvo, na certa não te espera!

Então me diz qual é a graça
De já saber o fim da estrada,
Quando se parte rumo ao nada?



--
o+*, postando por e-mail
(Marcadores: Ele)

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Sensacionalista!

Um casal branco americano teve um bebê negro e a mulher diz que engravidou assistindo a um filme pornô 3D. O pai da criança, o soldado Erick Jhonson, estava há um ano servindo numa base militar no Iraque e, quando voltou para casa encontrou um bebê negro. Sua mulher, Jennifer Stweart, de 38 anos, disse a ele que a criança foi concebida enquanto ela assistia a um filme pornô em três dimensões.

"Não vejo porque desconfiar dela. Os filmes em 3 D são muito reais. Com a tecnologia de hoje tudo é possível", disse Erick, que registrou a criança.

Jennifer afirmou que foi a um cinema pornô com as amigas em Nova York. Ela conta que não costuma assistir a filmes pornôs e que só foi dessa vez para ver como ficavam os efeitos em 3D. A criança, segundo ela, se parece com o ator negro do filme. "Um mês depois de ver o filme eu comecei a sentir enjôos e o resultado está aí. Vou processar o cinema e os produtores. Ainda bem que meu marido acreditou em mim. Meu casamento podia estar em risco. Mas ele sabe que eu sou fiel", disse.


Notícia (noT)plagiada do Sensacionalista!


Eu juro que queria saber de onde as pessoas tiram tanta criatividade!
Na boa? Cadê o Seu Saraiva pra lançar o "Ele a-cre-di-tooooooou..."! tsc tsc tsc

h'[m]

Mulher engravidou vendo filme pornô 3D

 
Sensacionalista: jornal de humor com sátiras sobre o noticiário.
 
--

terça-feira, 4 de maio de 2010

25 dias

A 25 dias do meu aniversário, estou numa disposição e animação super fora do comum. Já comecei a fazer a programação da maratona de comemoração de aniversário e isso está me dando uma super vontade de fazer tudo, mudar tudo, mexer em tudo!
Apesar da baixa de imunidade das últimas semanas, me sinto acelerada como o coelho branco, com aquela sensação de "tenho que fazer", "tenho que correr" e "não posso me atrasar".
E eu, que sempre fui perseguida pelo meu inferno astral, que jamais se esquecia dessa data tão esperada, tô adorando essa fase super up!

Aliás, se alguém encontrar meu inferno astral por ai, diga que eu estou à espera e dê a ele meu endereço novo: Circulo Polar Ártico nº 2 - CEP 96930 - Ravaniemi - Finlândia (Suomi). Fica do lado da casa do Papai Noel, e dois quarteirões antes da casa de chocolate de João e Maria. Se eu não estiver em casa, pode pedir pra ele deixar a encomenda na caixa de correio ou esperar na rede da varanda, que já, já chegamos. Eu e Cláudia!

h'[m]

QUEM AMA BLOGUEIA


Exatamente às 10:00 desta manhã ensolarada, nosso acesso à blogsfera foi bloqueado.
 
Consequências imediatas:
1- só poderei ver as repercussões da entrevista da O+*  no Yag hoje de noite;
2- se a segunda prova da gincana da vaca precisar de repidez na resposta, a O+* vai perder posições no ranking...
--
o+*

A Mulher, o Gato e o Biscoito

O problema de ter amigo famoso é que, com pouco tempo, você começa a ter que entrar em fila pra trocar meia dúzia de palavras com ele.

Minha companheira de blog conseguiu um bico de Femme Fatale no blog do Yag, e agora tá cagando na minha cabeça!
Passei por ela chegando no trabalho, parei o carro, buzinei umas cinco vezes e nada, NA-DA, de ela iniciar qualquer movimento de rotação do pescoço.
Queria entregar um documento, chamei umas 15 vezes, nada. Empurrei a cadeira por três enormes metros até a cadeira dela, ela, simplesmente, o pega e sequer emite algum som.
Sem contar a parte que ela começou a me difamar por comments.

Mas, assim... amigo é amigo, né? E como gatos, é só oferecerem um biscoitinho que a gente se achega de novo. Só espero que seja algum tão gostoso quanto o de ontem!

Pra quem não viu a famosidade: VEJA! Aliás, OUÇA!

Ps: Yag, Arrasou na entrevista!
Ps2.: Tô com fome!


h'[m]

Nas garras do gato!



http://yag-nacontramao.blogspot.com/2010/05/nas-garras-do-gato-mulher-asterisco.html

O melhor de tudo foi bater um papo com o gato...

Beijos carinhosos pra vocë, Gatão!

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Entre sonho e realidade


Acordei dormindo, dormi acordando.
Fechei os olhos e vi conhecidos, roupas militares.
Um helicoptero verde-musgo, e a hélice girava nos dois sentidos como meu ventilador de teto.
Um parque aquático, com escadas rolantes e, numa altura equivalente ao 9º andar, uma corda de bungee jump.
Desse eu não pulo, tenho medo. Não da altura, mas do impacto da gravidade contra o meu corpo.
Quero voltar p'ro de antes, o uniforme militar, o céu e o paraquedas.
Seria esse compartimento um para-quedas?
Se não tiver um para, me traga uma queda. Me impulso, me solto. Não do bungee Jump.

O que me assusta na corda elástica não é a altura, afinal, meu maior medo tem menos de 1,70m e é algo que não consigo controlar.
O que me assusta é ter os pés atados. Amarrariam os pés mas prenderiam os pulmões. O ar não viria, bem como a sensação de liberdade.
Apesar de amarrar e prender serem verbos que não combinam com geminianos como eu, estou presa agora, confesso.
Me prendi nos cabelos compridos, naquele sorriso de deixar qualquer um sem fôlego.
Mas meu fôlego - quanta ironia! - se encontra na boca do mesmo sorriso. No cheiro do mesmo pescoço.
E se tudo é contraditório e meu medo me afasta do fôlego, difícil é decidir entre viver sufocada, ou sufocar aliviada.

Preciso falar! Preciso falar! Preciso falar!

h'[m]

Mais uma das cartas de adeus que prometi não fazer * EDITED


Você quase foi padre. Deveria saber. Não é a palavra a fonte de toda salvação? Se de Deus, a religião é a palavra, não deveria negá-la. Sua fé é fraca. Acredita apenas nos dogmas. Na menção, não no uso. Digo isso porque rejeita a palavra. Ora, como padre você iria levar a palavra de Deus e ouvir a palavra dos homens e mulheres. E na palavra ouvida eles iam se salvar. Se não ouve o que digo e não fala nada, qual a possibilidade de salvação do que é nosso?
É a possibilidade da palavra que desarma o discurso viciado. Só a palavra verdadeira poderia interromper um círculo de acusações, pouco importa se (as acusações) chegaram a ser formuladas ou mesmo ditas. Pecador você! Não, o pecado não é o sexo. O pecado é a falta de amor ao próximo, renunciando à única ponte que poderia  levar você para realmente perto de outra pessoa, a palavra.
Então, nem pense que vou enviar esta carta. Não acredito mais em você. Não, não estou chamando você de mentiroso. Desleal, sim. Comigo. Mas olhando bem, não só comigo. Talvez seja com você mesmo, ao ter renunciado à unica coisa que poderia salvar na sua fé. Problema seu. Eu não tenho está fé. Os homens criaram Deus porque precisavam dele. Você continua precisando. Eu não preciso. O que preciso é remover os obstáculos e intermediários entre mim e a minha própria palavra. Nos desejo boa sorte. Vá com Deus.
--
o+*

I need some help!



Será que consigo postar vídeo?
=P


Mais uma das cartas de adeus que prometi não fazer


Você quase foi padre. Deveria saber. Não é a palavra a fonte de toda salvação? Se de Deus, a religião é a palavra, não deveria negá-la. Sua fé é fraca. Acredita apenas nos dogmas. Na menção, não no uso. Digo isso porque rejeita a palavra. Ora, como padre você iria levar a palavra de Deus e ouvir a palavra dos homens e mulheres. E na palavra ouvida eles iam se salvar. Se não ouve o que digo e não fala nada, qual a possibilidade de salvação do que é nosso? É a possibilidade da palavra que desarma o discurso viciado. Só a palavra verdadeira poderia interromper um círculo de acusações, pouco importa se (as acusações) chegaram a ser formuladas ou mesmo ditas. Pecador você! Não, o pecado não é o sexo. O pecado é a falta de amor ao próximo, renunciando à única ponte que poderia  levar você para realmente perto de outra pessoa, a palavra.

Então, nem pense que vou enviar esta carta. Não acredito mais em você. Não, não estou chamando você de mentiroso. Desleal, sim. Comigo. Mas olhando bem, não só comigo. Talvez seja com você mesmo, ao ter renunciado à unica coisa que poderia salvar na sua fé. Problema seu. Eu não tenho está fé. Os homens criaram Deus porque precisavam dele. Você continua precisando. Eu não preciso. O que preciso é remover os obstáculos e intermediários entre mim e a minha própria palavra. Nos desejo boa sorte. Vá com Deus.
--
o+*

domingo, 2 de maio de 2010

No caminho, com Maiakovski

...
Tu sabes,
conheces melhor do que eu
a velha história.
Na primeira noite eles se aproximam
e roubam uma flor
do nosso jardim.
E não dizemos nada.
Na segunda noite, já não se escondem:
pisam as flores,
matam nosso cão,
e não dizemos nada.
Até que um dia,
o mais frágil deles
entra sozinho em nossa casa,
rouba-nos a luz, e,
conhecendo nosso medo,
arranca-nos a voz da garganta.
E já não podemos dizer nada.

...

by Eduardo Alves

--
o+*