quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Que rei sou eu

Ao contrário da O+*, eu não sou uma superheroína com identidade secreta.
Metade dos leitores daqui sabe da minha existência, já me viu e até já me tocou. Tenho 25 anos, de tamanho GG, beirando os 1,76m por 70 e alguns kilos, bem acima da média do brasileiro.
Não posso dizer que sou frangote, porque os kilos citados acima variam - geralmente pra um pouco a mais - dependendo da minha atividade física. Quais? Pergunta difícil. Como boa geminiana, intercalo altos e baixos, esportes e movimentos de todos os tipos. Já fui tenista, marombeira, futebolista, nadadora... Agora, fico só no futebol 2 vezes por semana e academia alguns minutos por dias - sem contar as 2 ultimas semanas, que tô afastada por uma maldita torção na musculatura próxima a cervical, dorsal, ou algo do tipo.

Enfim, todo todo lenga-lenga acima foi só pra dizer que sou um mulherão - no sentido denotativo da palavra - tecnicamente ativa e saudável, e que hoje de manhã, todo esse conteúdo ficou desmilinguido perante um inseto. Comofás?
Bem na hora do meu sagrado banho matinal, uma maldita barata de 3 metros me apareceu no banheiro. Olhei pra ela, ela me olhou. Bem no estilo Kafka. Recoloquei minha roupa, sai de fininho e comecei a chamar o Motta pai.
Eu só sabia falar pra minha avó: "Olha o meu tamanho pro dela, vó. E olha o que ela faz comigo!", e ela, que completou 81 anos ontem, só sabia fazer rir e mandar enxotar a bicha pra lá. Gente, eu mandei ela sair umas 15 vezes e ela não me ouviu. Denovo: Comofás?
Quinze minutos se passaram até meu pai me atender e falar: "Você deve estar de sacanagem, né?". O pior é que não, Motta, eu realmente estava com pavor daquele bicho.
Perdi meu reinado por uma barata. Logo eu, que me considerava muito mais macho que muito homem...

Depois de uns 27 minutos, praticamente contados no relógio, de toda aquela correria de avó e pai atrás do bicho no banheiro, ela saiu pela janela. Respirei, contei até 10 e fui encarar o banho.
Lógico que não sou burra, e mantive os olhos bem abertos e a boca e as pernas bem fechadas. Afinal, não seria nada legal a barata reaparecer e entrar em algum buraco indevido. Certo?

h'[m]

13 comentários:

Mulher Asterísco disse...

Quer dizer que você recebeu um visitinha de Gregor Samsa e foi incapaz de convidá-lo para o café da manhã?
E ainda ficou com medo que ele se aproveitasse sexualmente de você!!!
Tsc Tsc Tsc...Estou telefonando AGORA para a Albacore entregar logo o protetor contra surto. Affe!

Edu disse...

Mais benesses de ser homem (e gay): além de mijar em pé, a gente pode dar gritinhos de pavor quando insetos horripilantes aparecem. Aaaaaaaaaaaaai!!

Paulo Braccini disse...

Oh my God ... o que foi melhor por aqui? o seu post? o coment de Mamys ou do Edu? acho que o conjunto gera uma ópera ... amei ...

Barata eu não ligo mas com ratazanas dou vazão a toda a minha veadice reprimida ... aaaaaaaaaiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii ...

bjux Hello

;-)

Diego disse...

Eu tenho uma dica! O livro que li no Carnaval: "Só as mulheres e as baratas sobreviverão", da Claudia Tajes, narrando a noite de uma mulher em seu apartamento na companhia de uma barata que entra em seu closet e impede que ela se vista para sair em pleno sábado à noite. Delícia!

Não sei se você viu um texto recente meu, mas eu deixei de ver um filme do Woody Allen por causa de um inseto GIGANTESCO que adentrou o sossego do meu lar.

Lobo Cinzento disse...

Faça como eu Hello:

Já entro no chuveiro com um chinelo na mão. Não tenho nada contra insetos, mas também não gosto de imaginar baratas entrando em lugares indevidos...

Esmague sem dó! Pode até dar gritinhos histéricos, mas um puta grito do Conan durante o processo dá um ar bem maior de "EU VENCI!". Recomendo, é super terápico ahauahauahau

Beijos!

Well Bernard disse...

O animal na foto não é uma barata nobre cidadã ituense. Na verdade é um animal pré histórico, ou é préistorico - num sei essa nova gramática me fode, chamado trilobita.

Apesar que eu deveria estudar formação dos minerais eu fiquei ouvindo um professor argentino falar um semestre inteiro sobre essa criatura do fundo do mar. Acho que por causa disso acho os trilobitas mais asquerosos do que uma barata.

Já com relação a barata, um dia eu tava naqueles dias que até respirar dava preguiça e uma começou a correr pelo chão da sala. Uni forças, na verdade explodi em vitalidade como uma super nova e fui lá com a minha havaiana azul 41/42 e pisei em cima dela.

Senti sua estrutura não resistindo a pressão do meu corpo ligeiramente adiposo e ouvi os últimos creques dela.

Como estava com muita preguiça deixei o corpo lá, estirado. Mas algo estranho aconteceu naquela tarde, o corpo sumiu restando somente as manchas daquele liquido branco esverdeado quem tem dentro dela.

Morro de medo dela vir um dia ao meu quarto durante a noite puxar o meu pé.

MariB disse...

Essa história de a barata entrar em lugares indevidos é fruto de algum trauma? Nunca tinha imaginado isso! rs

Vaca Jersey disse...

Hahahahaha!!!!! Barata de 3 metros e surda é phodaaaaaaaaaa!!! Hehehehe!!!! Beijos!!!!!!

Diego disse...

Gente, o Diego aqui de cima que recomendou livro fui eu. Eu entro com a conta do trabalho às vezes e nem dou por mim. Só agora que reparei que não tá lá a minha fotinho.

AD disse...

Olá Motta. Sinceramente, não entendo esse medo por baratas. Só não gosto de matá-las pois soltam umas gosminhas muito fedorentas e haja veja limpeza pesada nessas horas.

Mulher Asterísco disse...

*Mulher Asterisco tem um insight*

Hellomotta, Diego Rebouças, Claudia Tajes, Clarice Lispector, Franz Kafka... to vêndo que escrever sobre baratas é formula de sucesso. Vou escrever também!

Mulher Asterísco disse...

Fala sério, WB! Isso não é um Tatuí?

Scotty disse...

outro dia fui beber um copo d'agua à noite, e lá estava ela, bati duas vezes com a havaiana, escapou, aceitei como prova de mérito de sobrevivência/reprodução e voltei a dormir XD

Esse bicho aí rodou a rede como a barata de Sorocaba, diziam que foi encontrada no esgoto - na verdade é um animal marinho como o Well disse